DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/02/2019

Governo Bolsonaro 'espiona' bispos católicos

Governo vê igreja Católica como potencial opositora; relatórios são dos comandos militares em Manaus e Belém

Governo Bolsonaro 'espiona' bispos católicos Bispos Brasileiros terão encontro com o papa Francisco, em outubro, no Vaticano (Foto: Agência Brasil)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM  -O avanço da Igreja Católica nas discussões sociais e envolvimento com as massas mobiliza o governo Bolsonaro a usar a Agência Brasil de Inteligência (Abin) e comandos militares para espionar a movimentação de bispos e padres brasileiros. O governo quer conter a realização do  ‘Sínodo da Amazônia’, um encontro global de 250 cardeais, previsto para outubro de 2019, em Roma, no Vaticano, com o Papa Francisco para discutir a realidade de índios, quilombolas, ribeirinhos e demais povos da Amazônia, políticas de desenvolvimento dos governos da região, mudanças climáticas e conflitos de terra.

 

O Palácio do Planalto vê a Igreja Católica como tradicional aliada do PT. A Abin é chefiada pelo general Augusto Heleno, que é o ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional. Para o governo B0lsonaro esses debates, dos líderes da Igreja Católica, é uma interferência em assunto interno do país e representaria uma ameaça a soberania. Ou seja, o ‘Sínodo da Amazônia’ é uma agenda de esquerda.     

 

De acordo com A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo,  o Gabinete de Segurança Institucional recebeu esses relatórios de inteligência do Comando Militar da Amazônia, em Manaus e do Comando Militar do Norte, em Belém.  

 

'Achamos que isso é interferência em assunto interno do Brasil', disse Heleno. Escritórios da Abin em Manaus, Belém, Marabá, no sudoeste paraense (epicentro de conflitos agrários), e Boa Vista (que monitoram a presença de estrangeiros nas terras indígenas ianomâmi e Raposa Serra do Sol) estão sendo mobilizados para acompanhar reuniões preparatórias para o Sínodo em paróquias e dioceses", afirma o general Heleno.

 

Ainda segundo o Estadão, com base nesses relatórios de inteligência, o ‘governo Bolsonaro vai procurar governadores da Região Norte, prefeitos e até autoridades eclesiásticas que mantêm boas relações com os quartéis, especialmente nas regiões de fronteira, para reforçar sua tentativa de neutralizar o Sínodo’.  

 

Com as informações da Abin o governo fez uma conexão sobre as criticas que Bolsonaro recebeu da Conferencia Nacional dos Bispo do Brasil durante a campanha eleitoral. Movimentos ligados a igreja também criticaram o pacote anticrime do ministro Sérgio Moro, lançado recentemente. Ainda na campanha, bolsonaristas reagiram as críticas e chamaram o Papa Francisco de ‘comunista’. Foi aí que Bolsonaro desistiu da CNBB e investiu no apoio dos evangélicos.   

 

Bolsonaro vai agora, segundo o Estadão, envolver também o Itamaraty, para monitorar discussões no exterior, e o Ministério do Meio Ambiente, para detectar a eventual participação de ONGs e ambientalistas, nas discussões com cardeais.

 

Apesar do ‘Sínodo da Amazônia’ ser em outubro, num encontro de 23 dias dos cardeais brasileiros, a mobilização da CNBB já começou.  A programação inicia no dia 19 de janeiro de 2019,  numa abertura simbólica com a visita do papa Francisco a Puerto Maldonado, na selva peruana.

DEAMAZONIA.COM.BR

 

Sobe Catracas

ALFREDO MENEZES, coronel reformado do Exército

Assumiu a superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), nomeado pelo presidente Bolsonaro

Desce Catracas

DOCA ALBUQUERQUE, prefeito de Terra Santa

Justiça Eleitoral cassou (primeira instância) mandato dele de prefeito por abuso de poder econômico nas Eleições de 2016