DeAmazônia

MENU
Atualizado em 08/02/2019

Governo do AM negocia 75% da dívida do plano de saúde dos servidores da educação

Os atrasos ocasionaram interrupções do serviço e prejuízo aos usuários

Governo do AM negocia  75% da dívida do plano de saúde dos servidores da educação No total, já foram direcionados R$ 13,8 milhões para o pagamento das dívidas.

DEAMAZÔNIA MANAUS,AM - Em um mês, o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM) e Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-AM), negociou 75% da dívida deixada pela administração passada com a Hapvida, operadora dos planos de saúde dos servidores da educação. No total, já foram direcionados R$ 13,8 milhões para o pagamento das dívidas.

 

O pagamento da primeira parcela da dívida foi negociado ainda em dezembro, quando o governador Wilson Lima  assumiu o compromisso de quitar a parcela mais antiga, de agosto de 2018, assim que assumisse a administração do estado.

 

O atraso de quatro parcelas referentes aos meses de agosto, outubro, novembro e dezembro ocasionaram interrupções do serviço por parte da Hapvida. Agora, o objetivo, segundo o secretário de Educação, é garantir o pagamento de forma progressiva para continuar evitando transtornos aos professores, técnicos administrativos e demais servidores da educação.

 

Até agora, já foram quitadas três parcelas referentes aos meses de agosto, outubro e novembro de 2018. “Quando há suspensão é um prejuízo pessoal enorme. Temos servidores que dependem desse serviço, que estão em tratamento ou em deslocamento para consultas vindo do interior”, ressaltou Luiz Castro.

 

Da dívida deixada, está pendente somente o mês de dezembro, que será pago já no próximo mês. Segundo Luiz Castro, a quitação permite à administração pleitear melhorias para o serviço. “Um dos nossos objetivos é trabalhar pela melhoria do serviço no interior, expandir o atendimento e só conseguimos fazer isso se também estivermos cumprindo nossa parte enquanto contratantes”, explicou.

Sobe Catracas

SIDNEY COELHO, ex-presidente da CGL

TCE aprovou as contas dele referentes a 2017, quando esteve à frente da Comissão Geral de Licitação (CGL) no Amazonas

Desce Catracas

LUIZ CASTRO, secretário de Educação do AM

Fez dispensa de licitação de R$ 32 milhões da merenda escolar e presidente do TCE mandou cancelar certame