DeAmazônia

MENU
Atualizado em 30/01/2019

Desembargador anula Comissão Processante contra Chico Doido

Câmara iniciou investigação que poderia cassar o prefeito de Iranduba

Desembargador anula Comissão Processante contra Chico Doido Chico Doido, prefeito de Iranduba (Foto: Divulgação)

 

DEAMAZÔNIA IRANDUBA, AM - O desembargador Airton Luís Corrêa Gentil, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), anulou nesta terça-feira (29/01), a instalação da Comissão Processante da Câmara de Iranduba que poderia cassar o mandato do prefeito de Iranduba, Chico Doido. O TJ/AM atendeu ao pedido de liminar com base em Mandado de Segurança impetrado pelo prefeito. Chico Doido é acusado por uma funcionária pública de desviar R$ 4,2 milhões, recolhidos dos salários dos servidores, ao órgão da previdência de Iranduba.

 

A Comissão Processante instalada por sete votos a três, e uma abstenção. O desembagador Airton Gentil acatou pedido do prefeito que alega que a aprovação de instauração da investigação ocorreu por votação simples, ou seja, sete votos de um total de 11 vereadores. Para instalar a comissão seria necessário dois terços, ou seja, oito ou mais votos.

 

VEJA A DECISÃO >> DECISÃO MONOCRÁTICA - CHICO DOIDO

 

O desembargador fundamentou sua decisão baseado no artigo 56, da Constituição do Amazonas e no artigo 51, da Constituição da República, que diz que a instaurar processo contra governador, vice-governador e presidente e vice, somente ocorrerá com dois terço de seus membros, o que não ocorreu.   

 

"O procedimento político para cassação de mandato de prefeito encontra-se eivado (contaminado) de vício, por inobservância do quórum qualificado exigido simetricamente pela Constituição da República e pela Constituição Estadual do Amazonas”, sentenciou o desembargador.

 

"Na situação em análise, constato o não preenchimento dos requisitos necessários ao deferimento da liminar porquanto, apesar do conflito aparente de normas, a lei específica que regula a matéria (artigo 5º, II, do Decreto-Lei n.º 201/67) contenta-se com maioria simples. S completou Airton Gentil.  

 

Ao final da decisão, o desembargador pede que os autos sejam arquivados “para reformar o teor da decisão agravada e conceder a medida liminar a fim de anular os efeitos da Portaria n.º 045/2018 da Câmara Municipal de Iranduba”.

Sobe Catracas

CAROLINE BRAZ, secretária de Direitos Humanos do AM

Pela primeira vez, Amazonas aderiu a campanha nacional "Não é Não", contra o assédio, com ações por todo o estado no Carnaval 2020

Desce Catracas

VILSON GONÇALVES, prefeito de Aveiro (PA)

Virou alvo da Justiça em processo criminal acusado de recolher ICMS de mercadoria para exportação sem comprovar para Sefa saída do produto