DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/01/2019

Justiça determina a manutenção dos serviços de energia em Humaitá

Cidade estava sob risco de apagão pois empresa contratada não providenciou a instalação da usina termoelétrica

Justiça determina a manutenção dos serviços de energia em Humaitá Usina Termoelétrica de Humaitá (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA HUMAITÁ, AM - O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Humaitá (a 696 quilômetros de Manaus), obteve liminar da Justiça que garante a continuidade do serviço de energia elétrica no município. A cidade estava sob risco de apagão porque a empresa contratada para prestação do serviço não providenciou a instalação da usina termoelétrica necessária à geração de energia, e o contrato da atual prestadora expira no próximo dia 31 de março de 2019.

 

Diante da gravidade da situação, o titular da 1ª PJ de Humaitá, promotor de Justiça Fabrício Santos Almeida, recorreu à Justiça, a fim de garantir a continuidade do serviço público essencial ao funcionamento da cidade. “Não cabe à VPower Telemenia SPE Ltda beneficiar-se da própria torpeza para se eximir de sua responsabilidade pelo prejuízo que poderá causar aos consumidores humaitaenses”, registra o Promotor na ACP.

 

A VPower Telemenia SPE Ltda venceu o leilão de aquisição de energia elétrica realizado pela Aneel, nos termos do Edital n.º 02/2016, e firmou contrato com a Amazonas Distribuidora de Energia S/A, para transmissão de energia elétrica em Humaitá. A empresa reconhece o descumprimento contratual, alegando que deixou de providenciar a instalação da usina em razão de não ter obtido da Prefeitura a Licença de Obra, Alvará de Construção e Certidão de Viabilidade Ambiental. Sem autorização para construir no terreno inicialmente escolhido, a VPower propôs ao Município uma permuta com imóvel localizado no terreno do Parque de Exposições da Cidade, o que, entretanto, não foi aprovado pela Câmara Municipal.

 

Para o titular da 1ª PJ de Humaitá, tais argumentos não eximem a VPower da responsabilidade quanto à implementação do contrato, dada a existência de zona destinada às indústrias em Humaitá (Distrito Industrial), com disponibilidade de imóveis para venda naquela e em outras áreas da cidade. “A postura da VPower parece querer transferir o ônus da atividade empresarial para a sociedade, impondo ao Município uma permuta para atender à iniciativa privada, sob argumento da urgência, que parece ter sido provocada por desídia ou falta de investimentos humanos e financeiros dela própria”, observa o Promotor de Justiça.

 

O princípio da continuidade do serviço público, segundo o titular da 1ªPJ de Humaitá, impõe à Amazonas Distribuidora de Energia S/A a obrigação de manter ativa a geração de energia em sua usina termoelétrica, porque, a interrupção do serviço deixaria a cidade inteira às escuras, com todos os entraves financeiros, sanitários e de segurança pública daí decorrentes. Os danos difusos e individuais homogêneos dos consumidores de energia elétrica seriam vultosos e, conforme estabelece o Código de Defesa do Consumidor, as empresas respondem solidariamente pela reparação dos danos causados à população.

 

Na concessão da liminar, o juiz Diego Brum Legaspe Barbosa determina que a Amazonas Distribuidora de Energia S/A mantenha o fornecimento da energia em Humaitá, até que a VPower assuma esse serviço. Os custos do fornecimento de energia pela Amazonas Distribuidora que ultrapasse 31 de março de 2019 serão pagos pela VPower. O descumprimento da decisão enseja a aplicação de multa diária no valor de R$ 100 mil para cada uma das empresas requeridas.

Sobe Catracas

DANIELY CASTILHO, fisiculturista amazonense

Após ficar no Top 3 do Ms. Olympia, maior show de fisiculturismo do mundo, concorre ao título de 'Melhor competidora profissional do ano'

Sobe Catracas

MIKAIL IWANON, jogador de xadrez

Amazonense é o único representante do Norte no Campeonato Nacional de Xadrez, no Rio Grande do Norte

Desce Catracas

ONYX LORENZONI, ministro da Casa Civil

Comparou o risco que crianças correm, ao pais terem uma arma de fogo em casa, ao de ter um liquidificador

Desce Catracas

JOAQUIM CORADO, prefeito de Amaturá

Apesar de constatar irregulariades na aplicação de recursos de convênios em gestão passada não sabe se vai denunciar ex-prefeito

BASTIDORES