DeAmazônia

MENU
Atualizado em 08/03/2016

LEÃO AZULAY #Insônia e Empregos

LEÃO AZULAY #Insônia e Empregos

Nos últimos dias curti minha insônia de estimação com especulações sobre a cidade, que em vez de atrai o sono, afastaram-no e ficaram remoendo soluções e caminhos em minha mente sobre nossa querida cidade.

 

Implantou-se em minha madrugada uma pergunta, que é sem duvida a de qualquer parintinenses que pensam essa cidade, e seus inúmeros problemas.

 

Quando e onde nos desviamos do caminho da criação de empregos em Parintins? De repente me veio à revelação, que já deve ter acometido muitos parintinenses de minha geração que vivem aqui ou fora daqui; a cidade nunca foi capaz de alavancar e solucionar esse problema tão grave; o desemprego, a falta de esperanças profissionais aos filhos da terra.

 

Nossas prioridades passaram ao longo dos anos a serem todas econômicas: asfaltar ruas, tapar buracos, etc, etc, etc. Mas a criação de empregos sempre de fora.

O Grande Arquiteto do Universo é testemunha que nada tenho contra a politica e os políticos. Tivemos bons e maus prefeitos. Cada um deles uma ilha isolada, às vezes com ganhos transitórios ou fracassos retardadores.

 

No fundo, nada de criação de emprego; indústrias principalmente. Hoje envolvido com minha atividade de construção civil, vejo que é a maior geração de empregos no município. Bumbódromo e outras obras.

 

Restou na minha insônia um grito desesperado; o que fazer? Agora com a vantagem da tecnologia ao nosso lado, das inúmeras vantagens que o mundo moderno oferece, a base que a cidade já possui, meu grito em minha consciência ecoava fundo, madrugada afora.

 

Quando eu passava lá pelas 2 da manhã em frente à Cooperativa perto do Colégio do Carmo e como que, olhando em uma grande tela imaginaria, em minha frente um grande número de pessoas trabalhando na secagem da juta, andava mais um pouco e encontrava os armazéns abarrotados de castanha do Pará, cumaru e outras riquezas que a região produzia. Isso sem mencionar a madeira.

 

Mais uns metros e o porto movimentado com produtos, os grandes regatões. Produtos, não gente. Eram empregos que no mínimo ajudavam na criação daqueles que hoje são médicos, engenheiros, advogados e economistas, que iam a capital estudar com o dinheiro obtido pelos seus pais nos empregos que a cidade gerava.

 

Hoje tudo desapareceu, e pelo jeito esse tema ainda há de acompanhar minha insônia, por muitas noites. Há soluções. É só querermos, e vocês sabem, que o querer é tudo.

*O autor é Publicitário ( [email protected] )

Tags:

Sobe Catracas

CAROLINE BRAZ, secretária de Direitos Humanos do AM

Pela primeira vez, Amazonas aderiu a campanha nacional "Não é Não", contra o assédio, com ações por todo o estado no Carnaval 2020

Desce Catracas

VILSON GONÇALVES, prefeito de Aveiro (PA)

Virou alvo da Justiça em processo criminal acusado de recolher ICMS de mercadoria para exportação sem comprovar para Sefa saída do produto