DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/12/2018

Gestão de Amazonino encerra com quadro fiscal equilibrado e arrecadação crescente

Amazonino contesta Wilson Lima sobre déficit bilionário

Gestão de Amazonino encerra com quadro fiscal equilibrado e arrecadação crescente Gestão do governador Amazonino Mendes encerra em 1º de janeiro (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O governador Amazonino Mendes vem a público esclarecer que não entregará a máquina administrativa ao governador eleitor, Wilson Lima, com o rombo de R$ 1,5 bilhão. Ao contrário do que afirmou Wilson Lima, de forma equivocada, o Amazonas é um dos dez estados mais equilibrados da federação, mantendo-se com as finanças sob controle, com pagamentos em dia e com investimentos em todos municípios que ultrapassam o montante de R$ 1,2 bilhão.

 

Confira abaixo o posicionamento oficial do Governo do Estado sobre a afirmação do governador eleito:

O Governo do Amazonas esclarece que não procede a informação de que o governador eleito, Wilson Lima, vai assumir dia 1º de janeiro herdando um déficit de 1,5 bilhão de reais gerado pela atual administração. O Amazonas é um dos 10 estados que estão com as finanças absolutamente sob controle e equilibradas, de acordo com relatório técnico do Tesouro Nacional divulgado em novembro deste ano.

 

O equilíbrio fiscal conquistado pelo Amazonas é consequência de uma reengenharia nas finanças adotada pela Secretaria de Fazenda (Sefaz), que resultou no aumento de arrecadação e redução de gastos a partir da renegociação de contratos e combate à corrupção. As ações permitiram que o Estado voltasse a investir na saúde, educação, segurança, infraestrutura e outros setores estratégicos, no maior pacote de obras da história. Foram investidos mais de R$ 1,1 bilhão em obras na Capital e Interior, gerando 26 mil empregos.

 

O governador Amazonino Mendes assumiu em outubro de 2017 com um déficit de R$ 1,2 bilhão só na área da saúde. As empresas médicas acumulavam atrasos de até seis meses. Não havia investimentos e dezenas de obras estavam paralisadas. O caos estava instalado e até o pagamento dos salários dos servidores, ameaçado.

 

Plano de investimentos

Com o trabalho iniciado na atual gestão, o déficit herdado de administrações anteriores foi drasticamente reduzido e paralelamente iniciado um grande plano de investimentos. A economia do Amazonas voltou a crescer e, segundo o IBGE, teve um dos melhores desempenhos do País no primeiro semestre deste ano, com crescimento de 6,1%, quatro vezes mais que a média nacional. O resultado positivo se mantem nesse segundo semestre.

 

O mês de novembro fechou com um saldo positivo entre receita e despesa de R$ 156 milhões, ou seja, o Estado arrecadou mais do que gastou, o que é raro hoje na administração pública. A receita líquida fechou o mês com R$ 16,09 bilhões, enquanto que o total empenhado foi de R$ 15,93 bilhões. Houve um crescimento de 15,18% no comparativo da receita global do mesmo período do ano passado quando fechou o mês em R$ 13,97 bilhões.

 

ICMS com arrecadação recorde - Esse equilíbrio fez com que o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) – responsável pela maior fatia na arrecadação de tributos do estado – fechasse o mês de novembro com R$ 844 milhões. No comparativo com 2017 (R$ 746 milhões), o crescimento nominal representou um saldo de 13,14%.

 

O governador eleito receberá um quadro fiscal absolutamente equilibrado, com arrecadação crescente e gastos controlados. Realidade bem diferente da herdada pela atual administração. O Governo do Amazonas, diz que fez o dever de casa.

Sobe Catracas

LUPERCINO DE SÁ, desembargador

Foi homenageado pela Aleam com a Medalha da Ordem do Mérito Legislativo

Sobe Catracas

SÉRGIO FONTES, delegado da Polícia Federal

Recebeu diploma de "Cidadão Benemérito" pela Câmara Municipal de Manaus

Desce Catracas

ANTÔNIO ROCHA, presidente da Câmara de Santarém

Foi denunciado pelo MPPA na operação Perfuga por crime de peculato e afastado do cargo de presidente da CMS

Desce Catracas

HÉLIO BESSA, ex-prefeito de Tefé

Foi condenado a devolver 2,5 milhões aos cofres públicos por irregularidades em convênios com o Governo do Estado

BASTIDORES