DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/12/2018

Bolsonaro: Funai vai para pasta em que índio tenha tratamento que merece

Presidente eleito disse que Funai vai sair da Justiça 'para algum lugar'

Bolsonaro: Funai vai para pasta em que índio tenha tratamento que merece Presidente eleito, Jair Bolsonaro. Foto: reprodução

Ainda não há definição sobre o destino da Fundação Nacional do Índio (Funai). “Vai para algum lugar onde o índio receberá o tratamento que merece”, afirmou nesta quarta-feira (5) o presidente eleito Jair Bolsonaro. Atualmente, o órgão é ligado ao Ministério da Justiça.

 

Segundo o futuro governante, a pasta de Sérgio Moro – que vai abarcar Segurança Pública – já está sobrecarregada. Com a incerteza, interlocutores da equipe de transição já ventilaram que a Funai seria transferia para a Agricultura ou para o Ministério da Cidadania.

 

“O índio quer se integrar à sociedade”, disse Bolsonaro à imprensa. “O índio quer energia elétrica, médico, dentista, quer internet e quer jogar futebol. O índio quer o que nós queremos.” A essa “integração” deve ser foco dos trabalhos da fundação já em 2019.

 

Polêmica

Depois de ter gerado polêmica com fala sobre a origem indígena do presidente da BolíviaEvo Morales, o futuro líder brasileiro disse que foi vítima de “maldade” por parte de “alguns setores da imprensa” que divulgaram a declaração.

 

“Fiz comparação com a Bolívia. Lá, um índio é presidente. No Brasil, querem que o índio fique numa reserva, como animal de zoológico. Eu não quero isso. Quero tratar índio como ser humano, como cidadão”, disse. A ideia de Bolsonaro é que esses povos “explorem” terras e ganhem por isso, como se fosse pequenos produtores rurais. // Por JOVEM PAN

Sobe Catracas

LUPERCINO DE SÁ, desembargador

Foi homenageado pela Aleam com a Medalha da Ordem do Mérito Legislativo

Sobe Catracas

SÉRGIO FONTES, delegado da Polícia Federal

Recebeu diploma de "Cidadão Benemérito" pela Câmara Municipal de Manaus

Desce Catracas

ANTÔNIO ROCHA, presidente da Câmara de Santarém

Foi denunciado pelo MPPA na operação Perfuga por crime de peculato e afastado do cargo de presidente da CMS

Desce Catracas

HÉLIO BESSA, ex-prefeito de Tefé

Foi condenado a devolver 2,5 milhões aos cofres públicos por irregularidades em convênios com o Governo do Estado

BASTIDORES