Terça, 02 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/10/2018

Master coach amazonense visita Vale do Silício em busca de inovação e tecnologia

No Vale estão instaladas várias empresas de alta tecnologia, com produção de circuitos eletrônicos e informática

Master coach amazonense visita Vale do Silício em busca de inovação e tecnologia Cintía Lima. (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Em busca de mais conhecimento profissional, a Master Coach em Liderança, a amazonense psicóloga Cintía Lima sonhou, planejou e realizou visitas em grandes empresas do Vale do Silício. O Vale fica situado a partir do norte da cidade de San José, é uma cidade da Califórnia, nos Estados Unidos onde estão instaladas várias empresas de alta tecnologia, com produção de circuitos eletrônicos, informática e entre outras inovações do mundo moderno.

Cíntia assistiu palestras e teve contato com as novas tecnologias do momento. Ela explica que em 2016 fez uma breve passagem ao local, mas sentiu vontade de retornar e mergulhar no universo, em busca de mais experiências.

 

Cintía conta ainda que, a oportunidade de uma nova visita, surgiu este ano, quando foi convidada para fazer parte de um grupo de mentores do Brasil e também por fazer parte da formação Internacional de Mentoria de Negócios e Inovação.

 

Ela relata que a visita lhe possibilitou a ampliação de visão de negócios, melhor acesso às mais atuais metodologias, conhecimentos ferramentais internacionais de resultados significativos e a interação com pessoas das mais diversas atuações.

 

Entre as curiosidades que a master coach teve, ela conta que conseguiu explorar os caminhos de aprendizagem para uso customizado, para seus negócios e assim, usar na carreira para alavancar resultados. Cíntia assistiu palestra do Geoffrey Moore, autor do livro Best Seller “Crossing The Chasm” que tradução significa “Atravessando o Abismo”, tratando de marketing e produtos alterados para clientes tradicionais.

 

A master coach também visitou o Aple Park, local onde foi possível através de um Ipad que escaneia uma maquete, fazer um tour sobre os prédios da cidade e interiores , além de contato com produtos inovadores da marca. Ela também conheceu o WeWork – uma rede global de trabalho, que possibilita o estimulo a criatividade e produtividade entrando em conexão com pessoas próximas, equipes de artistas, engenheiros e outros profissionais criam espaços personalizados, aproveitando a luz do sol, conforto e inspiração para um ambiente de trabalho mais personalizado e saudável.

 

Uma das experiências mais marcantes para Cíntia, foi o encontro com o jovem Lawrence Lin Murata, um jovem brasileiro de 23, que se formou em Stanford, uma das melhores faculdades do mundo. " A história dele é formidável, pois fez uma campanha para financiamento coletivo e teve apoio de um empresário para manter a faculdade. Depois trabalhou na Apple e Microsoft em estágios de verão, tornou-se professor e abriu uma empresa de Inteligência Artificial para aumentar a segurança de transportes. Ele me ensinou que é importante usar a tecnologia para o bem social. Uma história linda e muito inspiradora", concluiu.

 

Entre as visitas, Cíntia esteve também no Campus da Universidade de Berkeley, uma das maiores universidades públicas dos Estados Unidos e uma das melhores do mundo, onde teve contato com a tecnologia aplicada e inovações para o mundo moderno.

 

“Foi uma experiência única, em que tive a oportunidade de visitar muitas empresas de referência e conhecidas mundialmente, como Google, Apple, Linkeding, Intel, dentre outros lugares fantásticos do mundo dos negócios. Tudo que vi e aprendi com certeza só vem a agregar maior conhecimento, para minha carreira e também para mostrar aos meus clientes e público em geral”, finalizou.

 

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

DILMA SERRÃO, ex-prefeita de Belterra (PA)

TCU reprovou as contas e condenou ex-prefeita a devolver R$ 100 mil ao MEC, por não comprovar recursos do FNDE, recebidos em 2015