DeAmazônia

MENU
Atualizado em 14/09/2018

"Mulheres Unidas Contra Bolsonaro" tem 1 milhão de membros no Facebook

"Ele representa tudo que é de atraso na luta pelos direitos das mulheres", afirmou uma das criadoras do grupo

Foto: Divulgação

Mais de um milhão de mulheres estão unidas contra Jair Bolsonaro – pelo menos no Facebook. Um grupo, criado há menos de duas semanas na rede social, atingiu 1 milhão de integrantes na madrugada desta quarta-feira (12).

 

 

O grupo foi criado como forma de mobilização contra a candidatura, pelo PSL, do capitão reformado à Presidência da República – atual líder nas pesquisas eleitorais divulgadas nesta semana, com 24%, segundo o Datafolha, e 26%, de acordo com o Ibope.

 

“Ele representa tudo que é de atraso na luta pelos direitos das mulheres, ele ataca diretamente a licença maternidade, a diferença salarial entre homens e mulheres”, afirmou a publicitária Ludmilla Teixeira, uma das criadoras do grupo, em entrevista a EXAME.

 

A iniciativa é apartidária e não é alinhada com nenhum espectro ideológico; são aceitas mulheres de esquerda e de direita, indiscriminadamente. A única bandeira fixa, resumiu Ludmilla, é: “não importa o seu candidato, desde que não seja Bolsonaro”.

 

O diálogo com essa parcela do eleitorado, inclusive, se mostrou um fracasso. No início, diz a publicitária, foi permitida a entrada de eleitoras declaradas de Bolsonaro, mas o clima ficou hostil e as fundadoras ficaram preocupadas em criar um antro de brigas, em vez de um pólo de debate e crescimento.

 

Rejeição

Segundo o Datafolha, divulgado na última segunda-feira (10), Bolsonaro é o candidato mais rejeitado pelo eleitorado: 43% declararam que não votariam nele de jeito nenhum, parcela que sobe para 49% entre as mulheres.

 

De acordo com um texto publicado no site Observatório das Eleições pelo professor de ciência política Jairo Nicolau, da UFRJ, a situação de Bolsonaro é singular, porque nas últimas eleições “não há casos de um candidato à Presidência com uma discrepância tão grande” entre votos de homens e mulheres.

 

Ele analisou dados do pleito de 2010 e 2014, além da pesquisa Datafolha de agosto, na qual Bolsonaro tinha 30% da intenção de voto dos homens, ante só 14% das mulheres, 16 pontos percentuais de diferença.

 

A segunda candidata com maior discrepância entre os gêneros é Marina Silva (Rede), com então 19% da preferência feminina e 13% da masculina, uma diferença de apenas 6 pontos percentuais.

 

Diante desses números, é possível entender porque o grupo cresce tão rapidamente. Mas sua fundadora deixa claro: a iniciativa não é contra a pessoa de Jair Bolsonaro, que, disse Ludmilla, merece respeito, e sim contra sua candidatura.

 

FONTE: EXAME ABRIL

Sobe Catracas

MARIA CLÁUDIA ALENCAR, fotógrafa

Manauara é a única fotógrafa brasileira no 22º Circuito Internacional de Arte Brasileira e terá suas fotos expostas na Eslováquia

Sobe Catracas

MAYRA DIAS, miss Brasil 2018

Amazonense atuante na luta pela preservação da Amazônia, foi condecorada nova embaixadora da Fundação Amazonas Sustentável (FAS)

Desce Catracas

NÉLIO AGUIAR, prefeito de Santarém

A poucos dias do Çairé 2018, a praça de Alter do Chão está abandonada e monumentos sem manutenção

Desce Catracas

JOEL LOBO, ex-prefeito do Careiro Castanho

Foi condenado pelo TCU a devolver R$ 200 mil ao Tesouro Nacional por contas julgadas irregulares quando foi prefeito 

BASTIDORES