Domingo, 20 de setembro de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 03/09/2018

TCE volta atrás e mantém licitação de reforma de prédios da Seduc

Pregão foi concluído com sucesso pela Comissão Geral de Licitação do Estado, que já devolveu o processo licitatório

TCE volta atrás e mantém licitação de reforma de prédios da Seduc Sede do Tribunal de Contas do Estado (TCE), em Manaus

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM -  O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Josué Filho, voltou atrás e revogou, na última sexta-feira (31/08), a medida cautelar que ele próprio concedeu de forma monocrática dois dias antes, ou seja, em 29 de agosto, para suspender o Pregão Presencial (PP) nº 02/2018, que foi solicitado pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc) para contratar serviços de reforma e manutenção de prédios da rede de ensino estadual da capital e do interior.

 

A revogação atendeu a um pedido ingressado pela presidência da Comissão Geral de Licitação do Estado do Amazonas (CGL/AM), que alegou haver graves danos ao interesse público caso o sobrestamento do PP nº 02/2018 fosse mantido.

 

“O próprio TCE reconheceu a importância da licitação em curso e, ainda que não expressamente, o Tribunal de Contas reconheceu a correção dos trâmites licitatórios realizados pela CGL/AM”, afirmou o presidente da CGL/AM, Victor Fabian Soares Cipriano.

 

Com o novo aval do TCE, a CGL/AM concluiu com êxito o PP nº 02/2018 e já encaminhou, ainda nesta segunda-feira (03/09), o processo licitatório para a Coordenadoria de Compras e Contratos Governamentais (CCGov), por se tratar de tomada de preços.

 

Decisão

De acordo com a decisão, o conselheiro Josué Filho, após “detida análise” dos documentos apresentados pela CGL/AM, decidiu revogar a medida cautelar que suspendia o PP nº 02/2018 por entender que ficou comprovada a urgência, “periculum in mora reverso”, quanto à necessidade de realização de manutenções prediais das escolas e dos demais estabelecimentos de educação administrados pela Seduc. 

 

“Ademais, pondera o Relator, que a manutenção da medida cautelar poderá ensejar na interrupção de prestação pública essencial à população, qual seja, o direito à educação, ocasionado a suspensão das atividades educacionais e laborais geridas pela Seduc”, afirma decisão de Josué Filho

 

Sobe Catracas

ORMY DA CONCEIÇÃO BENTES, desembargadora do AM

Magistrada foi eleita presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT11), para biênio 2020/2022

Desce Catracas

CHICO COSTA, ex-prefeito de Carauari

TCE-AM multou o ex-prefeito em R$134,6 mil por convênio irregular firmado com a Seduc em 2014