Quarta, 03 de junho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 01/08/2018

No Amazonas, 2.428.100 podem votar nas Eleições 2018

O número oficial de eleitores foi anunciado pelo TSE

No Amazonas, 2.428.100 podem votar nas Eleições 2018 Eleições ocorrem no dia 7 de outubro. Foto: rperodução

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - No próximo dia 7 de outubro, 147.302.354 eleitores brasileiros poderão votar nos representantes políticos de sua escolha. Este ano, além de eleger o novo presidente da República, os brasileiros em dia com a Justiça Eleitoral vão escolher deputados federais, deputados estaduais ou distritais, dois senadores por estado e o governador de cada uma das 27 Unidades da Federação. O número oficial de eleitores foi anunciado na manhã desta quarta-feira (1º) pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, durante a inauguração do Centro de Divulgação das Eleições (CDE). As informações são oriundas do Cadastro Eleitoral, banco de dados oficial sobre o eleitorado brasileiro, e referem-se às estatísticas auditadas até o final de julho após o fechamento do cadastro, no dia 9 de maio.

 

De acordo com os dados divulgados, esses 147,3 milhões de eleitores estão distribuídos pelos 5.570 municípios do país, bem como em 171 localidades de 110 países no exterior. As informações do eleitorado dizem respeito aos cidadãos brasileiros aptos a votar no pleito deste ano. Outros 1.409.774 eleitores não poderão votar nem se candidatar em 2018, por estarem com os direitos políticos suspensos.

 

No Amazonas

No Estado, houve, desde 2016, um aumento de 4,6% no número de eleitores, contando hoje com 2.428.100 aptos a votar.

 

Os números de 2018 e a evolução do eleitorado podem ser consultados em http://www.tse.jus.br/eleitor/estatisticas-de-eleitorado/eleitorado

Sobe Catracas

RODRIGO FERNANDES, escritor paraense

Natural de Santarém, venceu concurso da Academia Paraense de Letras e Artes e obra dele ficou em 1º lugar na categoria 'Melhor Livro'

Desce Catracas

ANTÔNIO PEIXOTO, prefeito de Itacoatiara

Deputado denunciou na Aleam que médicos, que atuam na pandemia, estão há três meses sem receber salários