DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/07/2018

MILTON CÓRDOVA JÚNIOR #A tentativa de golpe contra o TRF4

MILTON CÓRDOVA JÚNIOR  #A tentativa de golpe contra o TRF4 Milton Córdova

Pela dinâmica dos acontecimentos, percebe-se, cabalmente, que houve conluio entre os impetrantes Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira com o desembargador Favreto. Aguardaram sorrateiramente o inicio do expediente do referido magistrado (plantonista) no plantão para, apenas 32 minutos depois (às 19h32m) ingressarem com o famigerado e teratológico HC.

 

Eventos posteriores reforçam a suspeita. 

 

Primeiro, o fato de desembargador Favreto ter telefonado aos berros, de forma desequilibrada, para o diretor-executivo da Polícia Federal no Paraná, Roberval Vicalvi, mandando soltar o ex-presidente Lula, em evidente abuso de poder e conduta incompativel com um magistrado.

 

Segundo, a afronta ao art. 1º, § 1º, da Resolução nº 71, de 31 de março de 2009, que proíbe - no Plantão Judiciário - a  reiteração de pedido já apreciado pelo Tribunal. 

 

Terceiro, a atípica e imprudente insistência desse magistrado em libertar o condenado, mesmo após a manifestação bem fundamentada do desembargador Gebran que, por sua vez, foi bastante elegante com o desembargador Favreto. Este (Favreto) só parou quando o presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores, colocou-o em seu devido lugar, nestes termos:

 

 "Nessa equação, considerando que a matéria ventilada no habeas corpus não desafia análise em regime de plantão judiciário e presente o direito do Des. Federal Relator em valer-se do instituto da avocação para preservar competência que lhe é própria (Regimento Interno/TRF4R, art. 202), determino o retorno dos autos ao Gabinete do Des. Federal João Pedro Gebran Neto, bem como a manutenção da decisão por ele proferida no evento 17."

 

Cumpre ao CNJ adotar as mais rigorosas providências contra o desembargador Favreto, processando-o e retirando-o da magistratura, a bem do serviço público, por razões mais do que evidentes.  

 

Quanto aos impetrantes (um deles ex-presidente da OAB/RJ), todos agiram em evidente temeridade, litigância de má-fé e fragrantemente atentando contra a dignidade da justiça.

 

Quanto a estes, o Conselho Federal da OAB e a Comissão de Ética da Câmara dos Deputados sabem o que fazer.

 

*O autor é advogado e atua em Brasília*

Sobe Catracas

NÉLIA CAMINHA, desembargadora

Foi reconduzida ao cargo de presidente da 3ª Câmara Cível do TJAM, por aclamação, para mais dois anos, até 2020

Sobe Catracas

JOÃO BARROSO, procurador geral do MPC

Tomou posse hoje (16) como procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC) para o biênio 2018-2020

Desce Catracas

MARÍLIA MENDONÇA, cantora sertaneja

MP recomendou que artista não cante no aniversário de Coari sob pena de incorrer improbidade administrativa 

Desce Catracas

ROBERTO TADROS, presidente da Fecomércio-AM

Matéria da Folha de SP aponta fragilidade e baixa rotatividade na federação do AM, por dirigente estar a 32 anos no cargo

BASTIDORES