DeAmazônia

MENU
Atualizado em 09/07/2018

MP fecha o cerco contra Adail; PGJ envia oito promotores a Coari

Procurador geral, Fábio Monteiro, criou grupos de trabalho para reforçar trabalho do MP

MP fecha o cerco contra Adail; PGJ envia oito promotores a Coari Fábio Monteiro, procurador geral de Justiça do AM

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM – O procurador geral de Justiça do Amazonas (PGJ), Carlos Fábio Monteiro, enviou oito promotores de Justiça ao município de Coari ( a 370 quilômetros de Manaus) para atuarem na Comarca em apoio aos promotores Weslei Machado e Flávio Mota. A decisão está publicada no Diário Eletrônico do Ministério Público. O MP já pediu por sete vezes o afastamento do prefeito Adail Filho por improbidade administrativa. 

 

Os grupos de trabalho, formado pela PGJ, vão atuar na regularização do acervo processual do MP em Coari e o outro em processos judiciais e extrajudiciais na Comarca.

 

Na semana passada, o juiz da 1ª. Vara de Coari, Fábio Alfaia, determinou o afastamento do promotor Weslei Machado de um processo contra o prefeito Adail Filho acusado de supostamente coagir e comprar testemunhas do caso de Pedofilia, que envolvia o pai do chefe do Executivo, ex-prefeito Adail Pinheiro.

 

O magistrado alegou que Machado é “inimigo capital” do prefeito. O MP contesta e recorre da decisão.

 

Ao pedir por sete vezes o afastamento do prefeito Adail Filho por improbidade, os promotores alegam que as denuncias estão fundamentadas com robustas provas. Três pedidos foram negados, pelo magistrado.

 

Mas, o juiz da 2ª. Vara de Coari, André Luiz Muquy, acatou, na semana passada, um dos pedidos do MP para o afastamento de Adail.

 

O juiz deu um prazo de 20 dias para que o prefeito repasse aos promotores os pedidos de informações solicitados com cópias de documentos públicos relacionados a contratos e licitações milionárias, realizadas na gestão de Adail Filho, que durante toda a gestão dele não foram publicadas no Portal da Transparência. O prefeito recebeu do MP mais de 20 ofícios solicitando informações e foram ignorados.  Em caso de descumprimento Adail será afastado.

 

Sobe Catracas

SIDNEY COELHO, ex-presidente da CGL

TCE aprovou as contas dele referentes a 2017, quando esteve à frente da Comissão Geral de Licitação (CGL) no Amazonas

Desce Catracas

LUIZ CASTRO, secretário de Educação do AM

Fez dispensa de licitação de R$ 32 milhões da merenda escolar e presidente do TCE mandou cancelar certame