DeAmazônia

MENU
Atualizado em 27/06/2018

Seap e Polícia Militar realizam revista em presídio de Parintins

Ação do Sistema Prisional e de Segurança tem como objetivo garantir o controle da unidade durante o Festival Folclórico 2018

Seap e Polícia Militar realizam revista em presídio de Parintins Seap e Polícia Militar realizam procedimento de revista na Unidade Prisional de Parintins. (Fotos: Bruno Zanardo)

DEAMAZÔNIA PARINTINS, AM - Na manhã desta quarta-feira (27/06), a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a Polícia Militar do Amazonas (PMAM) realizaram procedimento de revista na Unidade Prisional de Parintins, município distante 369 quilômetros em linha reta de Manaus. A ação teve como principal objetivo garantir o controle da unidade durante o Festival Folclórico de Parintins.

 

A fiscalização foi acompanhada pelo poder judiciário e Defensoria Pública do município. Para o juiz titular da 1ª Vara de Parintins, Lucas Couto Bezerra, a segurança e integridade física da unidade prisional devem ser acompanhadas por todo o poder judiciário e órgãos competentes.

 

 

“Assumi recentemente e uma das primeiras providências que eu tive foi em preocupação com o festival em atentar para a integridade física dos detentos que já estão custodiados e aqueles que poderão ser detidos durante o evento, principalmente para manterem a salvaguarda de toda a população da cidade. O Estado do Amazonas merece um sistema carcerário melhor e, para isso, é necessária à fiscalização atenta do judiciário e da Defensoria Pública do Estado”, relatou o magistrado.

 

Efetivo 

Na ação de revista, foi empregado um efetivo de mais de 70 pessoas, entre servidores da Seap lotados na unidade prisional, uma equipe de Manaus e policiais militares das tropas do Comando de Policiamento Especializado (CPE), que foram enviados ao município para realizar a segurança durante todo o Festival Folclórico.

 

 

De acordo com o secretário executivo adjunto da Seap, major da Polícia Militar do Amazonas, Lima Júnior, a secretaria tem intensificado as revistas no interior do Estado com o apoio da Polícia Militar.

 

“Nada mais justo do que realizarmos essa revista em Parintins durante o período do festival, para prevenir qualquer tipo de ação por parte dos internos. Fizemos contato com todo o poder judiciário do município para que possamos dar um suporte para os internos, e não somente a repressão. Essa é mais uma ação da Seap e PMAM para coibir qualquer movimentação de desordem dos internos”.

 

A Unidade Prisional de Parintins possui atualmente 129 presos, sendo 122 homens e sete mulheres. Durante o procedimento foram apreendidos: 13 estoques, duas baterias, um carregador, dois canivetes, dois alicates, oito rolos de fio de cobres, um rolo de fio e um cartão de memória.

 

O comandante de policiamento do interior, coronel da Polícia Militar do Amazonas, Márcio Santiago, afirma que a tropa especializada da corporação esteve presente para apoiar o procedimento. “Nossos policiais estão acostumados a estas ações que são realizadas em parceria com a Seap, tanto em unidades prisionais da capital quanto do interior. Estamos com um efetivo de policiais militares capacitados para que durante o festival tudo transcorra com maior tranquilidade no sistema penitenciário e em toda a cidade.”

 

Atuação da Seap em Parintins 

Uma equipe da Seap chegou a Parintins na última terça-feira (26/06). Comandados pelo secretário executivo adjunto, major Lima Júnior, o efetivo realizou uma visita prévia na unidade antes da revista.

 

O secretário executivo adjunto se reuniu ainda com a equipe policial empregada na cidade, com juízes, promotores e defensores do Fórum de Justiça de Parintins para o alinhamento da operação de fiscalização realizada nesta manhã.

Sobe Catracas

DELISSA VIEIRALVES FERREIRA, promotora de Justiça

Ação Civil Pública, em conjunto com a promotora Nilda Silva, derrubou na Justiça decisão da Seduc de militarizar Escola Tiradentes, em Manaus

Desce Catracas

RAYLAN BARROSO, prefeito de Eirunepé

Foi cobrado pelo MPF para fazer processo seletivo, pagar funcionários indigenas e regularizar merenda escolar