DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/06/2018

Ministério pede aumento de vacinas contra pólio após caso na Venezuela

Ministério afirma que ações de vigilância e vacinação contra a doença devem ser intensificadas no Brasil

Ministério pede aumento de vacinas contra pólio após caso na Venezuela Foto: Reprodução

Ministério da Saúde enviou na segunda-feira (11) uma nota de alerta aos estados e municípios para que aumentem a vigilância e vacinação contra a poliomielite, doença não registrada no país desde 1989.

 

A medida ocorre após a detecção de um caso suspeito de pólio em uma criança de dois anos e dez meses que mora na comunidade indígena Delta Amacuro, na Venezuela, país vizinho ao Brasil.

 

A criança, que começou a apresentar quadro de paralisia flácida aguda no fim de abril, não havia sido vacinada. Informativo da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) aponta que exames iniciais apontaram poliovírus, mas novos testes são necessários para confirmação, já que há outros fatores e causas a serem analisados. O caso continua em investigação.

 

No documento enviado aos estados, ao qual a reportagem teve acesso, o ministério afirma que é de "extrema urgência" a intensificação das ações de vigilância e vacinação contra a doença também no Brasil.

 

Pesam neste cenário, de acordo com a pasta, as "baixas e heterogêneas coberturas vacinais para a poliomielite" em todos os estados e o "não alcance das metas preconizadas para vigilância" de casos de paralisia flácida aguda.

 

Atualmente, a cobertura vacinal contra a poliomielite é de apenas 77% - a meta, porém, é que 95% do público-alvo seja vacinado.

 

Em 1994, o Brasil recebeu da Opas o certificado de país livre de poliomielite, em conjunto com outros países do continente americano.

 

A notificação de um caso suspeito na Venezuela, assim, tem gerado alerta entre autoridades de saúde diante do temor de retorno da doença.

 

Na nota enviada aos estados, o ministério informa que as ações de vacinação são fundamentais "para evitar a reintrodução do vírus no Brasil". Neste ano, a campanha nacional de vacinação contra a pólio deve ocorrer entre 6 e 24 de agosto.

 

O documento diz ainda que a situação "requer atenção" pelas equipes de vigilância e imunização diante do aumento na entrada de imigrantes venezuelanos no Brasil, em especial na região Norte.

 

Atualmente, o esquema de vacinação contra a pólio é feito em três doses, aplicadas aos dois, quatro e seis meses, por meio de injeção. Também são indicadas doses de "reforço" aos 15 meses e aos quatro anos de idade com a vacina oral (a famosa "gotinha"). Em nota, o ministério reforça que as vacinas "são seguras e eficazes".

 

POLIOMIELITE

Também chamada de paralisia infantil, a poliomielite é uma doença infectocontagiosa grave e caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito e evolução rápida. A doença acomete principalmente os membros inferiores.

 

A transmissão pode ocorrer de pessoa para pessoa, por meio de alimentos e água contaminados - situação mais frequente em áreas com condições de higiene e saúde inadequada - ou pelo contato com gotículas de secreções (como ao falar, tossir e espirrar). A prevenção se dá pela vacinação.

 

Na maioria dos casos, a criança não vai a óbito quando infectada, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso, provocando paralisia irreversível, principalmente nos membros inferiores.

 

Atualmente, três países ainda são considerados "endêmicos" para poliomielite: Paquistão, Nigéria e Afeganistão. Com informações da Folhapress.

Sobe Catracas

MAURO CAMPBELL, ministro do STJ

Amazonense completou uma década à frente do Tribunal, com a marca de 150.450 mil processos julgados 

 

 

Sobe Catracas

ELIANE FERREIRA, presidente do Partido Verde

Foi nomeada secretária de Estado de Assistência Social (Seas), pelo governador Amazonino Mendes

Desce Catracas

KÁTIA HELENA, secretária da Educação do AM

Secretaria fechou contrato no valor de R$ 4,2 milhões, sem licitação, para aluguel de imóvel onde vai funcionar uma escola 

Desce Catracas

BETO D'ANGELO, prefeito de Manacapuru

TCE suspendeu processo seletivo do Instituto Municipal de Transporte (Imtrans), por várias irregularidades no edital

BASTIDORES