DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/06/2018

Vereador Plínio Valério através de projeto de lei busca conscientizar sobre uso de água potável

Objetivo é fazer com que os estabelecimentos usem sistemas que controlem o uso da água e por meio de fiscalização

Vereador Plínio Valério através de projeto de lei busca conscientizar sobre uso de água potável Vereador de Manaus, Plínio Valério. Foto: divulgação

DEAMAZÔNIA MANAUS - O Projeto de lei N° 149/2018  entrará em vigor a partir da  data de sua publicação, para conter o uso desnecessário de água, economizando-a. O Projeto na tela é voltado para a lavagem de veículos em vias públicas e lava jato e também em outras providências, com a finalidade de conscientizar sobre o uso correto da água e evitar o seu fim.

 


O principal objetivo do projeto é fazer com que os estabelecimentos usem sistemas que controlem o uso da água e por meio de fiscalização, conter o uso abusivo. Além de outras fontes de desperdício que podem ser evitadas, como tubos e conexões soltos, o uso de mangueiras e máquinas de pressão a jato de maneira descontrolada.

 

Dessa maneira, o uso indevido na prática de lavagens de automóveis e calçadas se torna proibido, caso contrário, o infrator terá que pagar multa no valor de cinco UFM’s ao Poder Público Municipal através do orgão correspondente. E fica por responsabilidade do Poder Executivo, aplicar as multas e advertências com notificação e informar as fiscalizações.

 

O executivo municipal ficará responsável pelas campanhas publicitárias, orientando uso continuo e a importância da economia de água por meio de ações educativas em escolas, praças públicas e na mídia em geral, já que a prática de lavar carros e calçadas seja comum, uma lei como essa  acaba se tornando importante para conscientizar sobre o desperdício de água potável.

Sobe Catracas

FÁBIO CAVALCANTI, jogador de dama

Amazonense foi destaque em Campeonato Nacional de Jogo de Dama e conquistou medalha de bronze na competição, em Maceió

Desce Catracas

WLADMIR COSTA, ex-deputado federal pelo Pará

Justiça Federal condenou ele e o irmão, Mário Sérgio Costa, superintendente do Incra, a perda dos direitos políticos, por usarem órgão para promoção pessoal