DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/05/2018

TCE suspende licitação de alimentos hospitalares da Susam

O Pregão Eletrônico seria do Pronto Socorro da Criança, da Zona Leste de Manaus

TCE suspende licitação de alimentos hospitalares da Susam Hospital e Pronto Socorro da Criança, da Zona Leste de Manaus

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) suspendeu nesta segunda-feira (14) processo de licitação do Hospital e Pronto Socorro da Criança, da Zona Leste de Manaus, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Susam). O Pregão Eletrônico (PE) 489/2018, tinha o objetivo de contratar uma empresa para o fornecimento de alimentação e serviços de nutrição. A decisão é do conselheiro do TCE, Mário José de Moraes Filho.

 

A denúncia foi feita pela empresa Maria do Livramento Lima da Cunha – ME, que já presta o mesmo serviço, citado na licitação, à unidade de saúde pública. De acordo com o documento, a ME afirma ainda que está com o pagamento atrasado.

 

Na acusação a empresa afirma que o Projeto Básico estipula contratação de apenas um nutricionista na empresa, responsável por mil refeições hospitalares diárias, o que impede a contratação de uma nova prestadora de serviço para os mesmos fins.

 

Segundo a Resolução 380/2005 – CFN, do Conselho Regional de Nutricionistas, a realização do objeto em disputa não é adequada.

 

A empresa denunciante pediu que a Comissão Geral de Licitação (CGL) interrompa a liquidação do contrato para assegurar a prestação de serviço.

Sobe Catracas

EVERTY SANDRO PEREIRA, delegado de Polícia

Assumiu como novo delegado titular do 3º DIP de Parintins 

Sobe Catracas

GISELE PASCARELLI, advogada

Toma posse hoje (22) como nova desembargadora eleitoral no TRE-AM, em vaga destinada à Classe dos Advogados

Desce Catracas

CHICO DOIDO, prefeito de Iranduba

Votação da CMI que pode cassar mandato dele, por suspoto desvio de mais de R$ 4 milhões, deve acontecer nos próximos dias

Desce Catracas

APARECIDO SILVA, prefeito de Rurópolis (PA)

Justiça do Pará condenou ele a perda dos direitos políticos e a pagar multa de R$ 15 mil, por não prestar contas de convênios federais em 2009

BASTIDORES