DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/05/2018

Prefeito de Borba não paga aluguel de prédio e estudantes da UEA são despejados

Simão Peixoto foi denunciado ao MP/AM

Prefeito de Borba não paga aluguel de prédio e estudantes da UEA são despejados Prefeito de Borba, Simão Peixoto

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Em Borba, município ( a 215 quilômetros de Manaus em linha reta), universitários dos cursos de Educação Física e Letras estão sendo despejados da sala de aula porque o prefeito Simão Peixoto (SD) não paga o aluguel do prédio onde os cursos são ministrados pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

 

A denúncia foi apresentada pela deputada estadual Alessandra Campêlo (MDB) durante a Sessão Plenária desta quinta-feira (10), na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam).

 

“O prefeito de Borba é caloteiro, não paga o aluguel onde os alunos estudam. Essa é a contrapartida da prefeitura e a UEA entra com a outra parte. Estou encaminhado esse caso ao Ministério Público em defesa dos estudantes da UEA de Borba”, afirmou Alessandra.

 

As denúncias sobre esse problema específico já tinham sido feitas para Alessandra durante recente visita do mandato itinerante da deputada ao município. Segundo os universitários da UEA de Borba, o calote da prefeitura no dono do prédio onde eles estudam coloca em risco as formaturas das turmas nos próximos anos. O atraso no pagamento seria de quase dois anos. 

Sobe Catracas

JOÃO GASPAR RODRIGUES, promotor de Justiça do AM

Palestrou em evento promovido pelo MP do Rio de Janeiro "O MP do terceiro milênio: Desafios para uma Atuação Resolutiva”

Sobe Catracas

ISAAC SILVA, atleta santareno

Com 62 anos, venceu em 1º lugar maratona dos 110 anos da imigração japonesa ao Brasil, nas corridas de 5 km, 800m e 1.500 metros, em SP

Desce Catracas

AMINADAB DE SANTANA, ex-prefeito de Novo Aripuanã

Justiça Federal bloqueou R$ 136 mil em bens dele por não prestação de contas de recursos da educação em 2011 e 2012

Desce Catracas

GEAN BARROS, prefeito de Lábrea

TCE suspendeu contrato de R$ 2,4 milhões da Prefeitura por contratar de maneira irregular empresa para reforma de escola

BASTIDORES