DeAmazônia

MENU
Atualizado em 15/05/2018

Na disputa pelo comando da droga na fronteira do Solimões, FDN e CV rompem

Caso está em investigação da Polícia Federal

Na disputa pelo comando da droga na fronteira do Solimões, FDN e CV rompem Complexo Penitenciário Anísio Jobim (COMPAJ), em Manaus. (Foto: Reprodução)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Na disputa pelo controle do tráfico de drogas na Região do Alto Solimões, na fronteira com a Colômbia e o Peru, as facções criminosas Família do Norte (FDN) e Comando Vermelho romperam a aliança, que mantinham desde 2015, após suspeita de uma 'traição'. A informação é do site UOL, em matéria do jornalista Leandro Prazeres.

 

A FDN é a facção que comandou o massacre nos presídios do Amazonas com a morte de 56 pessoas, em janeiro de 2017. 

 

O delegado titular da Polícia Civil amazonense da DRCO (Delegacia de Repressão ao Crime Organizado), Guilherme Torres, informou que a FDN descobriu um plano de suposta traição arquitetada pelo traficante Gelson Carnaúba, o “Mano G’, que agora representa o Comando Vermelho, no Estado.

 

Segundo o UOL, ‘Mano G’ era um dos líderes da FDN, com João Carioca, o ‘João Branco’ e José Roberto Fernandes.  Sob suspeita, Carnaúba foi expulso da facção amazonense. A investigação sobre este rompimento é da Polícia Federal.  

 

Ele está preso na penitenciária federal de Campo Grande, em Mato Grosso, onde também está Zé Roberto. João Branco está preso em Catanduvas, no Paraná.

 

Na disputa pelo comando do tráfico na fronteira, FDN e CV ainda se defrontam com outra facção: o PCC, de São Paulo ; que já atua no Acre e em Roraima.

 

A disputa pelos pontos de droga, pode aumentar a violência no Amazonas.   

DEAMAZONIA.COM.BR   

Sobe Catracas

EVERTY SANDRO PEREIRA, delegado de Polícia

Assumiu como novo delegado titular do 3º DIP de Parintins 

Sobe Catracas

GISELE PASCARELLI, advogada

Toma posse hoje (22) como nova desembargadora eleitoral no TRE-AM, em vaga destinada à Classe dos Advogados

Desce Catracas

CHICO DOIDO, prefeito de Iranduba

Votação da CMI que pode cassar mandato dele, por suspoto desvio de mais de R$ 4 milhões, deve acontecer nos próximos dias

Desce Catracas

APARECIDO SILVA, prefeito de Rurópolis (PA)

Justiça do Pará condenou ele a perda dos direitos políticos e a pagar multa de R$ 15 mil, por não prestar contas de convênios federais em 2009

BASTIDORES