DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/04/2018

MP-AM investiga ex-prefeito de Codajás por desvio de R$ 350 mil

Os valores seriam destinados para a Festa do Cupuaçu e para o asfaltamento da cidade

 MP-AM investiga ex-prefeito de Codajás por desvio de R$ 350 mil Ex-prefeito de Codajás, Agnaldo Dantas.

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) instaurou dez inquéritos civis para investigar a gestão do ex-prefeito do município de Codajás (a 240 quilômetros de Manaus), Agnaldo Dantas, pelo desvio de quase R$ 350 mil. Os valores teriam sido repassados ao prefeito para o asfaltamento da cidade, no ano de 2011, e para a realização da festa do Açaí, em 2010, pelo Governo do Estado.

 

Os inquéritos instaurados pelo promotor de Justiça, Gerson de Castro Coelho, por meio da portaria 1268/2017, vão investigar além do prefeito, o Conselho Municipal de Saúde e a Câmara Municipal de Codajás.

 

O inquérito civil público de nº 003.2018 instaurado no dia 7 de março deste ano, vai investigar o suposto desvio de R$ 249, 577 mil, liberados de convênio firmado em julho de 2011 entre a Prefeitura de Codajás e a Secretaria de Infraestrutura do Estado do Amazonas (Seinfra), para a melhoria do sistema viário do município.

 

O MP também apura um convênio junto ao Governo do Amazonas, no valor de R$ 100 mil, destinados a festa do Açaí de 2011. Não há informações sobre a liberação dos valores.

Sobe Catracas

JOMAR FERNANDES, desembargador do TJAM

Passou a integrar o Conselho de Magistratura do AM representando as Câmaras Criminais do Tribunal 

Sobe Catracas

NÉLIA CAMINHA, desembargadora

Foi reconduzida ao cargo de presidente da 3ª Câmara Cível do TJAM, por aclamação, para mais dois anos, até 2020

Desce Catracas

ARAILDO CARECA, prefeito de Santa Izabel do Rio Negro

Justiça do AM bloqueou R$100 mil em bens dele, após denúncia do MP-AM, de que teria direcionado licitação de R$3 milhões para empresa de parente

Desce Catracas

ILISEU 'BAT', ex-presidente da Câmara de Coari

TCE reprovou as contas da Câmara Municipal referentes ao ano de 2016 e ele terá que devolver R$ 2,2 milhões aos cofres 

BASTIDORES