DeAmazônia

MENU
Atualizado em 18/03/2018

Chacina em Presidente Figueiredo deixa quatro mortos, neste domingo (18)

Assassinatos aconteceram na madrugada

Chacina em Presidente Figueiredo deixa quatro mortos, neste domingo (18) Bando invadiu sitio e matou três; uma quarta vítima foi executada antes

DEAMAZÔNIA PRESIDENTE FIGUEIREDO, AM -  Quatro pessoas foram assassinadas na madrugada deste domingo (18/03), em Presidente Figueiredo (a 107 quilômetros de Manaus). No Distrito de Balbina, um grupo de criminosos invadiu um sítio, no km 49 da Rodovia AM 10, e matou três integrantes da mesma família. Ainda na madrugada um rapaz identificado como Lucas Lemos, 22, foi atingido com um tiro a queima roupa em uma festa e morreu na hora. A polícia investiga o caso.

 

O distrito Balbina, no município de Presidente Figueiredo, fica distante de Manaus a 49 quilômetros. As vítimas da execução no Sitio são Alexandre Oliveira Lemos, 37, o Gordinho, Keysse Maquiné,40,  e Eduardo Maquiné,48.

 

Lucas Lemos, que seria irmão de Alexandre, foi executado, mais cedo, por volta das 3h enquanto que as mortes no sitio de Balbina ocorreram às 4h.

 

Lucas Gomes, estava numa festa com amigos no Km 8, da Comunidade Rumo Certo, situada no km 165 da rodovia BR-174, em Presidente Figueiredo. Bandidos chegaram em três carros e foram em direção do rapaz disparando dois tiros a queima roupa que atingiram o peito dele.

 

Uma equipe da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) foi deslocada até Presidente Figueiredo, na manhã deste domingo (18)

 

De acordo com a polícia, Alexandre fazia parte da quadrilha de João Pinto Carioca, o João Branco, apontado como líder da facção criminosa Família do Norte (FDN).João Branco está preso em presídio federal.

 

A polícia não descarta acerto de contas relacionado ao tráfico de drogas.

Sobe Catracas

CLEINALDO COSTA, reitor da UEA

Nos últimos meses, Universidade abriu número expressivo de vagas para cursos e concursos públicos

Desce Catracas

MANO DADAI, vereador de Santarém (PA)

Justiça condenou ele a perda do mandato e oito anos de prisão, na Operação Perfuga, por associação criminosa e peculato