DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/03/2018

Financiamento coletivo de campanhas é novidade nas eleições deste ano

Pré-candidatos poderão contratar empresas para angariar recursos a partir de 15 de maio

Financiamento coletivo de campanhas é novidade nas eleições deste ano O modelo foi aprovado pelo Congresso Nacional na última reforma eleitoral. Foto: reprodução internet

Uma das novidades nas eleições deste ano é a possibilidade de candidatos utilizarem o financiamento coletivo para arrecadação de recursos à campanha. O modelo foi aprovado pelo Congresso Nacional na última reforma eleitoral.

 

Com as alterações na Lei das Eleições, somente pessoas físicas podem fazer doações eleitorais até o limite de 10% dos seus rendimentos brutos, verificados no ano anterior à eleição.

 

As empresas de financiamento coletivo poderão ser contratadas por pré-candidatos para começar a arrecadar recursos, a partir do dia 15 de maio, mas os pré-candidatos beneficiados só receberão o dinheiro para suas campanhas após a apresentação de seus registros de candidatura à Justiça Eleitoral. Caso isso não aconteça, os recursos arrecadados devem ser devolvidos aos respectivos doadores.

 

Antes de arrecadar, porém, essas empresas precisam se cadastrar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por meio de um formulário eletrônico que estará disponível a partir do dia 30 de abril. Já existe, no entanto, um espaço no portal do TSE com orientações e requisitos que devem ser atendidos. 

Interesses regionais esfriam negociação entre Barbosa e PSB

Câmara gasta quase R$ 700 mil com cafezinho em um ano

Uma das exigências é que, durante a fase de arrecadação, as instituições divulguem a lista de todos os doadores e quantias doadas em suas páginas na internet. Outra determina ainda que, iniciada a campanha em 15 de agosto, as entidades arrecadadoras encaminhem essas informações à Justiça Eleitoral, bem como aos candidatos, para inserção das informações em suas respectivas prestações de contas. As informações são do TSE.

 

Outras formas de financiamento

Além da arrecadação por financiamento coletivo, o texto da lei autoriza que partidos vendam bens e serviços e promovam eventos para arrecadar recursos para as campanhas eleitorais.

 

Também será permitido ao candidato o autofinanciamento integral de sua campanha até o limite de gastos para o cargo eletivo. Pela primeira vez, o Congresso Nacional estabeleceu um teto de gastos para cada cargo, conforme os dados a seguir:

 

Presidente da República – teto de R$ 70 milhões em despesas de campanha. Em caso de segundo turno, o limite será de R$ 35 milhões.

 

Governador – o limite de gastos vai variar de R$ 2,8 milhões a R$ 21 milhões e será fixado de acordo com o número de eleitores de cada estado. 

 

Senador – o limite vai variar de R$ 2,5 milhões a R$ 5,6 milhões e será fixado conforme o eleitorado de cada estado.

 

Deputados Federal – teto de R$ 2,5 milhões; 

 

Deputados Estadual ou Deputado Distrital – limite de gastos de R$ 1 milhão.

NOTÍCIAS AO MINUTO

Sobe Catracas

MARIA CLÁUDIA ALENCAR, fotógrafa

Manauara é a única fotógrafa brasileira no 22º Circuito Internacional de Arte Brasileira e terá suas fotos expostas na Eslováquia

Sobe Catracas

MAYRA DIAS, miss Brasil 2018

Amazonense atuante na luta pela preservação da Amazônia, foi condecorada nova embaixadora da Fundação Amazonas Sustentável (FAS)

Desce Catracas

NÉLIO AGUIAR, prefeito de Santarém

A poucos dias do Çairé 2018, a praça de Alter do Chão está abandonada e monumentos sem manutenção

Desce Catracas

JOEL LOBO, ex-prefeito do Careiro Castanho

Foi condenado pelo TCU a devolver R$ 200 mil ao Tesouro Nacional por contas julgadas irregulares quando foi prefeito 

BASTIDORES