DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/01/2018

Justiça Eleitoral marca audiência sobre ação que pede a cassação de Anderson Sousa

O prefeito de Rio Preto da Eva teve as contas de campanha julgadas reprovadas pela Justiça Eleitoral

Justiça Eleitoral marca audiência sobre ação que pede a cassação de Anderson Sousa Prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson Sousa (Reprodução internet)

DEAMAZÔNIA RIO PRETO DA EVA, AM -  O prefeito de Rio preto da Eva (a 80 quilômetros de Manaus), Anderson Sousa(PROS), inicia o ano de 2018 com um inferno astral. O Ministério Público Eleitoral (MPE) quer a cassação do mandato dele e do vice Neto do Baixo Rio (PSDB).

 

A Justiça Eleitoral reprovou a prestação de contas de Anderson, na campanha de 2016, que o conduziu ao cargo de prefeito e por esse motivo o promotor George Pestana ingressou com pedido de cassação dos diplomas do prefeito e do vice.

ação rpe

 

Com a extinção da Zona Eleitoral de Rio Preto o caso será julgado agora pela 68ª. Zona Eleitoral, que funciona em Manaus. Quem vai julgar a representação do MPE contra o prefeito é   juíza Irlena Leal Benchimol.

 

Nesta sexta-feira (12/01) a juíza Irlena Benchimou determinou que o Cartório paute um nova audiência para que o Ministério Público e o prefeito apresentem as testemunhas, se assim desejarem. É a audiência de instrução para oitiva de testemunhas.

 

Depois desta fase a juíza deve proceder a sentença.

 

ação rpew

 

Perda de mandato

O prefeito de Rio Preto, Anderson Sousa, já teve a cassação de seu mandato em outra ação da Justiça Federal. O prefeito recorre da decisão.

 

Em julho de 2017, o juiz federal Lincoln Rossi da Silva Viguini, da 1ª. Vara Federal de Manaus, determinou a perda do cargo público do prefeito de Rio Preto da Eva, além da suspensão dos direitos políticos por oito anos, e ainda a proibição de contratar com o Poder Público, receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica do qual seja sócio.

 

O prefeito Anderson Sousa foi também condenado a devolver o valor de quase R$ 2,5 milhões, entre ressarcimento de recursos ao erário e multa.

 

Anderson foi condenado em uma Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), por crime de improbidade administrativa, em convênio celebrado, em 2005, entre a Prefeitura e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), no valor de R$ 1 milhão para a construção de um complexo turístico em Rio Preto da Eva. O prefeito contratou a Construtora Paricá para fazer o serviço, no primeiro mandato dele.

CONTATO COM A COLUNA BASTIDORES

(92) 99229 8831 WhatsApp

deamazonia3@gmail.com

DEAMAZONIA.COM.BR

Sobe Catracas

LUPERCINO DE SÁ, desembargador

Foi homenageado pela Aleam com a Medalha da Ordem do Mérito Legislativo

Sobe Catracas

SÉRGIO FONTES, delegado da Polícia Federal

Recebeu diploma de "Cidadão Benemérito" pela Câmara Municipal de Manaus

Desce Catracas

ANTÔNIO ROCHA, presidente da Câmara de Santarém

Foi denunciado pelo MPPA na operação Perfuga por crime de peculato e afastado do cargo de presidente da CMS

Desce Catracas

HÉLIO BESSA, ex-prefeito de Tefé

Foi condenado a devolver 2,5 milhões aos cofres públicos por irregularidades em convênios com o Governo do Estado

BASTIDORES