DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/01/2018

Quadrilha transferia altas dívidas de energia aos mais pobres; prejuízo é de R$ 30 milhões

No esquema, débitos de grandes unidades consumidoras eram rateados para contas da população de baixa renda do Viver Melhor e Conjunto Cidadão

Quadrilha transferia altas dívidas de energia aos mais pobres; prejuízo é de R$ 30 milhões A fraude, desarticulada pela Polícia Civil durante a Operaçao “Luz para Poucos” - Fotos: Jander Robson

MANAUS, AM - Vinte e uma pessoas foram presas na manhã desta quinta-feira (11), em Manaus, como parte de uma quadrilha que atuava clandestinamente realizando uma espécie de “gato” em medidores de energia de grandes empresas na capital. A fraude, desarticulada pela Polícia Civil durante a Operaçao “Luz para Poucos”, deu prejuízo de R$ 30 milhões, segundo a Eletrobras Amazonas Energia.

 

Foram cumpridos mandados de prisão expedidos pela 5ª Vara Criminal, pelos crimes de estelionato, peculato, corrupção ativa e passiva e falsificação de documentos. As prisões foram coordenadas por equipes da Delegacia Especializada em Combate ao Furto de Energia, Água e Serviços de Telecomunicações (DECFS) e pelo Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO).

Segundo a Polícia Civil, as investigações começaram há dez meses, quando a diretoria comercial da Eletrobras Amazonas Energia procurou a DEFCS. “Eles relataram uma série de práticas que não estavam dentro dos padrões da empresa, gerando prejuízos à mesma”, explicou o delegado Felipe Vasconcelos.

 

Segundo o delegado, havia envolvimento de atendentes terceirizados da Eletrobras atuando nos Postos de Atendimento ao Cidadão (PAC) de Manaus e na própria central de atendimento, localizada na rua 10 de Julho, no Centro da capital.

 

De acordo com a Polícia Civil, os envolvidos no esquema faziam transferências irregulares de débitos de grandes unidades consumidoras, com dívidas milionárias, para pessoas de baixa renda moradoras de conjuntos habitacionais, como Viver Melhor e Conjunto Cidadão, cujas ganhos não chegam a um salário mínimo.

“Era através desses atendentes que era realizada a essa transferência fraudulenta daquela dívida que, às vezes, era de R$ 100 mil, e era transferida para essas pessoas e o nome daquela empresa ficava sem débito”, explicou o delegado Felipe Vasconcelos.

 

Segundo o delegado, o esquema também acontecia com a conivência das pessoas de baixa renda para onde as dívidas em transferidas, que recebiam quantias em dinheiro, de valor não revelado, para irem até os PACs e assumirem os débitos. De acordo com Felipe Vasconcelos, também existe a possibilidade de moradores terem sido prejudicados.

 

Além dos atendentes, eletricistas e empresários que auxiliavam no esquema criminoso também foram presos. Todos devem ser encaminhados para o sistema prisional do Estado

Édria Caroline/PORTAL A CRÍTICA

Sobe Catracas

ALVARO CAMPELO, vereador de Manaus

Foi o vereador que registrou em 2017 100% de comparecimento às sessões da Câmara

Sobe Catracas

ROMEIRO MENDONÇA, prefeito de Presidente Figueiredo

Após pressão, recuou e garantiu o aumento salarial dos professores municipais reajustado em julho/2017 pelo Governo Federal

Desce Catracas

ALEXANDRE BIANCHINI, presidente da Manaus Ambiental

São inúmeras as reclamações da má prestação de serviço no fornecimento de água em Manaus

Desce Catracas

ANTONIO PONGÓ, prefeito cassado de Caapiranga

Vice prefeito Moisés Filho denunciou Pongó a polícia por ter sacado R$ 1,8 milhão antes de deixar prefeitura  

BASTIDORES