DeAmazônia

MENU
Atualizado em 09/01/2018

Medida provisória libera R$ 2 bilhões em caráter emergencial a municípios

A MP estabelece que os municípios deverão aplicar os recursos preferencialmente em saúde e educação.

Medida provisória libera R$ 2 bilhões em caráter emergencial a municípios Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

O Congresso Nacional deverá analisar a partir de 2 de fevereiro, com o fim do recesso parlamentar, medida provisória que autoriza o repasse de apoio financeiro aos municípios no valor de R$ 2 bilhões (MP 815/17). 



Pelo texto, a parcela destinada a cada ente federado será definida pelos mesmos critérios de transferências via Fundo de Participação dos Municípios (FPM). A MP estabelece que os municípios deverão aplicar os recursos preferencialmente em saúde e educação.



Com a MP, o governo federal espera assegurar a continuidade dos serviços públicos básicos nos municípios, como os de saúde e de segurança, bem como a continuidade de projetos de investimento feitos em parceria com a União.



O Planalto argumenta que o objetivo da MP é atender a “dificuldades financeiras emergenciais” enfrentadas pelos municípios. Apenas em 2017, o governo estima que os municípios deixaram de receber cerca de R$ 4 bilhões por meio do FPM.



Segundo o Ministério da Fazenda, “as transferências da União, bem como as receitas próprias dos entes federados, vêm se realizando abaixo das expectativas e das projeções das administrações municipais desde 2015”.

 

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

 

AGÊNCIA CÂMARA NOTÍCIAS

Sobe Catracas

ARI MOUTINHO, desembargador

Determinou a convocação de 20 candidatos aprovados em concurso público para o Corpo de Bombeiros do Amazonas

Sobe Catracas

THIAGO SILVA, lutador de jiu-jitsu

Amazonense participará de Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu, que acontece na Califórnia

Desce Catracas

JOCIONE SOUZA, prefeito de Novo Aripuanã

Prometeu pagar a passagem de 130 alunos para abertura dos Jogos Escolares do AM, mas alunos perderam o evento por ele não efetuar pagamento

 

Desce Catracas

HERIVÂNEO SEIXAS, prefeito de Humaitá

Moradores denunciam nas redes sociais a falta de médicos, remédios e o completo caos no Hospital Geral da cidade

BASTIDORES