DeAmazônia

MENU
Atualizado em 07/12/2017

Cabral volta a prestar depoimento a Marcelo Bretas nesta quinta

Oitiva é um desdobramento da Operação Ratatouille

Cabral volta a prestar depoimento a Marcelo Bretas nesta quinta Ex-governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. (Foto: Reprodução)

juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal no Rio, ouve o ex-governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, nesta quinta-feira (7), sobre a operação Ratatouille.

 

 

Carlos Miranda e Luiz Carlos Bezerra, que segundo o Ministério Público Federal (MPF) eram operadores de Cabral, além do empresário Marco Antonio De Lucca, também prestarão depoimento.

 

Cabral e os operadores foram denunciados por corrupção passiva, e o empresário por corrupção ativa e organização criminosa.

 

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), entre 2007 e 2016, Marco de Luca pagou R$ 16,7 milhões em propina a Cabral para obter benefícios em contratos com o governo do Rio de Janeiro. A apuração indicou que foram registrados 82 pagamentos mensais a Miranda e a Bezerra, no valor aproximado de R$ 200 mil.

 

Segundo o MPF, a continuidade dos pagamentos até a prisão de Cabral, mesmo após ele ter deixado o cargo, “demonstra a influência política que o ex-governador ainda exercia sobre a administração”. As informações são da Agência Brasil.

 

As investigações da Operação Ratatouille revelaram ainda que as empresas Masan Serviços Especializados Ltda e Comercial Milano Brasil, ligadas a de Luca, tiveram crescimento exponencial nas contratações com o governo do Rio de Janeiro nos últimos 10 anos.

 

Os contratos assinados com a Masan atingiram R$ 2,2 bilhões e com a Milano R$ 409 milhões e, entre outros, envolvem o fornecimento de alimentação para escolas e presídios do estado.

 

“Estão plenamente configurados os crimes de corrupção passiva e ativa porquanto resta claro que o conjunto de funções exercido pelo agente público em questão está relacionado com os interesses privados do principal fornecedor de alimentação e serviços especializados no estado do Rio de Janeiro, isto é, pode-se aferir extreme de dúvidas a relação de mercancia que tem por objeto a função pública exercida pela então maior autoridade do Poder Executivo estadual”, destacou o MPF, quando da denúncia.

 

Notícias ao Minuto

Sobe Catracas

NÉLIA CAMINHA, desembargadora

Foi reconduzida ao cargo de presidente da 3ª Câmara Cível do TJAM, por aclamação, para mais dois anos, até 2020

Sobe Catracas

JOÃO BARROSO, procurador geral do MPC

Tomou posse hoje (16) como procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC) para o biênio 2018-2020

Desce Catracas

MARÍLIA MENDONÇA, cantora sertaneja

MP recomendou que artista não cante no aniversário de Coari sob pena de incorrer improbidade administrativa 

Desce Catracas

ROBERTO TADROS, presidente da Fecomércio-AM

Matéria da Folha de SP aponta fragilidade e baixa rotatividade na federação do AM, por dirigente estar a 32 anos no cargo

BASTIDORES