DeAmazônia

MENU
Atualizado em 23/09/2015

ANDRÉ SEFFAIR #Nosso Pálido Ponto Azul

ANDRÉ SEFFAIR     #Nosso Pálido Ponto Azul

Pensei em escrever sobre os horrores da maior crise humanitária mundo moderno, suas causas e suas consequencias tenebrosas para o futuro próximo do ocidente. Pensei em escrever sobre nossa odiosa crise política, nossa horrorosa crise econômica e nossa absurda crise de valores humanos e sociais que se abateu sobre o Brasil. Pensei em escrever sobre as tensões, sempre incômodas, de nossas relações interpessoais, nossas necessidades, desejos e fraquezas humanas em contraponto às expectativas, sempre elevadas, daquilo que os outros exigem de nós. Mas vendo essa foto, “arreguei para tudo”. Depois falamos sobre isso.

 

Em setembro de 1977 a NASA lançou ao espaço a sonda Voyager 1, com a missão de estudar Júpiter e Saturno. Como a sonda não parou de funcionar, após o cumprimento da missão original, resolveram estudar o restante do Sistema Solar.

 

Em fevereiro 1990, a sonda virou-se aos planetas estudados e tirou fotos de todos os corpos celestes por onde passou, a partir da visão dos limites do Sistema Solar, antes de partir em direção a outros mundos e tornar-se o primeiro objeto feito pelo homem lançado fora de nosso sistema estelar. No dia 14, tirou essa foto do planeta Terra.

 

 

Nesse mundo de guerras, sofrimento, caos político, social, econômico, fofocas e intrigas, quero convidar todos a viajar na imensidão do universo, a partir da observação do astrônomo Carl Sagan, feita numa conferência proferida meses antes de sua morte em 1996, ao descrever nosso “pálido ponto azul”.

 

“Olhem de novo esse ponto. É aqui, é a nossa casa, somos nós. Nele, todos a quem ama, todos a quem conhece, qualquer um sobre quem você ouviu falar, cada ser humano que já existiu, viveram as suas vidas. O conjunto da nossa alegria e nosso sofrimento, milhares de religiões, ideologias e doutrinas econômicas confiantes, cada caçador e coletor, cada herói e covarde, cada criador e destruidor da civilização, cada rei e camponês, cada jovem casal de namorados, cada mãe e pai, criança cheia de esperança, inventor e explorador, cada professor de ética, cada político corrupto, cada "superestrela", cada "líder supremo", cada santo e pecador na história da nossa espécie viveu ali - em um grão de pó suspenso num raio de sol.

 

A Terra é um cenário muito pequeno numa vasta arena cósmica. Pense nos rios de sangue derramados por todos aqueles generais e imperadores, para que, na sua glória e triunfo, pudessem ser senhores momentâneos de uma fração de um ponto. Pense nas crueldades sem fim infligidas pelos moradores de um canto deste pixel aos praticamente indistinguíveis moradores de algum outro canto, quão frequentes seus desentendimentos, quão ávidos de matar uns aos outros, quão veementes os seus ódios.

 

As nossas posturas, a nossa suposta autoimportância, a ilusão de termos qualquer posição de privilégio no Universo, são desafiadas por este pontinho de luz pálida. O nosso planeta é um grão solitário na imensa escuridão cósmica que nos cerca. Na nossa obscuridade, em toda esta vastidão, não há indícios de que vá chegar ajuda de outro lugar para nos salvar de nós próprios.

 

A Terra é o único mundo conhecido, até hoje, que abriga vida. Não há outro lugar, pelo menos no futuro próximo, para onde a nossa espécie possa emigrar. Visitar, sim. Assentar-se, ainda não. Gostemos ou não, a Terra é onde temos de ficar por enquanto.

 

Já foi dito que astronomia é uma experiência de humildade e criadora de caráter. Não há, talvez, melhor demonstração da tola presunção humana do que esta imagem distante do nosso minúsculo mundo. Para mim, destaca a nossa responsabilidade de sermos mais amáveis uns com os outros, e para preservarmos e protegermos o "pálido ponto azul", o único lar que conhecemos até hoje.”

Até!

* O autor é promotor de Justiça do Amazonas 

Tags:

Sobe Catracas

RONAN MARINHO, artista parintinense

Idealizado por ele, projeto de animação audiovisual infantil, dos bois Garantido e Caprichoso, em formato Kids, será lançado em dezembro

Desce Catracas

HERIVÂNEO SEIXAS, prefeito de Humaitá

Concurso público da Prefeitura foi suspenso pela Justiça, após contratação de Instituto suspeito, para organizar o certame