DeAmazônia

MENU
Atualizado em 22/04/2017

Avião que fez pouso forçado com Angélica e Luciano Huck não podia voar

Além disso, os pilotos não seguiram o checklist obrigatório em casos de pane.

Avião que fez pouso forçado com Angélica e Luciano Huck não podia voar Angélica e Luciano Huck

O relatório final sobre o voo que fez um pouso forçado com o casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica revelou que a aeronave não tinha condições de voar. O acidente aconteceu em Mato Grosso do Sul, em maio de 2015. Além do casal, o avião levava os três filhos de Angélica e Huck, duas babás, o piloto e o co-piloto.

 

O documento do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), do Comando da Aeronáutica, indica que houve falha da tripulação e que o avião não poderia ter levantado voo por causa de dois equipamentos essenciais que estavam inoperantes.

 

Além disso, de acordo com a reportagem do G1, os pilotos não seguiram o checklist obrigatório em casos de pane.

 

A perícia constatou que o avião que levava a família de Huck tinha dois equipamentos essenciais sem funcionar: o gravador de dados de voz, que é uma das caixas-pretas, e um sistema que diminui automaticamente resistência do ar em uma das hélices quando ela para.

 

O incidente também foi provocado por outro problema: a troca da posição dos sensores de combustível da asa esquerda. Segundo a publicação, o do tanque interno estava instalado no externo, e vice-versa, o que fez com que o piloto achasse que havia combustível naquela asa, o que não era verdade.

 

O relatório da Cenipa também informa que a empresa de táxi-aéreo orientava os pilotos a não escriturar “não conformidades” no diário de bordo da aeronave. Eles sequer tinham acesso às cadernetas de motor, célula e hélice.

 

Os equipamentos que não eram considerados essenciais para o despacho da aeronave tambem não costumavam passar por manutenção e os pilotos faziam anotações apenas em um livro de discrepâncias criado pela própria empresa, para evitar que as aeronaves ficassem indisponíveis para o voo.

 

De acordo com a investigação, os pilotos chegavam a sofrer pressão da empresa de táxi-aéreo para voar sempre que possível. Os profissionais não faziam os treinamentos periódicos na aeronave modelo EMB-820C Carajá (que fez o pouso forçado), segundo o relatório, eles faziam os treinamentos apenas no EMB-210D Sêneca.

 

A apuração concluiu que esse fato se dava porque as horas de voo do outro modelo eram mais caras.

 

A reportagem do Jornal Nacional tentou entrar em contato com o piloto e representante da empresa de táxi-aéreo, mas eles não quiseram dar entrevista.

NOTÍCIAS AO MINUTO

Sobe Catracas

RUI MACHADO, artista plástico

Recebeu comenda da Ordem do Mérito Legislativo da Aleam, em reconhecimento por trabalho com coisas da Amazônia

Desce Catracas

RONALDO TABOSA, vereador de Manaus

Pela quarta vez, teve mandato cassado pelo TRE/AM, dessa vez, por infidelidade partidária com o PP