Quarta, 05 de agosto de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 19/01/2015

Marqueteiro de Carbrás já foi preso e arrolado em desvio de recursos

Marqueteiro de Carbrás já foi preso e arrolado em desvio de recursos publicitário Cleomar Eustáquio

 

O publicitário Cleomar Eustáquio e Silva ficará durante um ano atuando nas peças publicitárias da prefeitura municipal de Parintins e preparando a imagem do prefeito Alexandre da Carbrás (PSD) para as eleições de 2016. Cleomar foi o responsável pela organização do seminário realizado na semana que passou em Parintins.

 

Para o evento ele trouxe autoridades de Vilhena em Rondônia, onde já trabalhou e teve problemas com a Justiça.De acordo com o Jornal Eletrônico “Tudo Rondônia.com”, em 2010, Cléo da Energia, como é chamado pelo informativo, era processado pelo crime de injuria e difamação por usar programas eleitorais e a internet para tentar contra a honra de políticos daquele estado. Já o portal “Rondônia ao vivo” relata, em 2011, a prisão do marqueteiro em Vilhena determinada pelo juiz Valdeci Castelar Citon. “O motivo da prisão seria crime de desobediência, pois Cleomar não teria comparecido a uma audiência judicial, incorrendo em crime de Desobediência”, diz o site.

 

Talvez a denuncia mais grave no qual o publicitário esteve arrolado foi no caso que ficou conhecido em Rondônia como “Escândalo da Ceron”, em 1996, quando o Ministério Público ajuizou ação civil pública contra os políticos que integravam o grupo do ex- governador daquele estado Valdir Raupp de Matos apontados como responsáveis por desvio de dinheiro público das Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron).

 

Segundo o Ministério Público do Estado de Rondônia repassava à Ceron recursos a título de aporte de capital. Esses recursos, na denuncia da época, eram posteriormente, utilizados no esquema de desvios para empresas de propaganda e publicidade, as quais supostamente eram credoras da Administração Pública. Do aporte R$ 30 mil era repassado, segundo a promotoria, para Cleomar. O publicitário foi condenado a devolver recursos públicos. “Sendo assim, deve ser aplicada a sanção de ressarcimento integral do dano referente ao primeiro fato, no valor de R$ 30.000,00 para cada um. E para Cleomar, também lhe aplico a multa civil correspondente a 1/3 do valor do cheque (R$ 120.000,00), por ter acompanhado José Lenzi e depositado os valores para Amarildo e José Assis, conforme confirmou por ocasião de sua contestação”, diz o despacho do Tribunal de Justiça de Rondônia da Câmara especial assinado pelo desembargador Renato Mimessi.

 

O site Rondônia Noticia revelou ainda que ano passado o publicitário voltou a se meter em confusão quando a Justiça determinou a retirada de suas postagens no facebook por entender que estava ofendendo a moral de pessoas consideradas adversárias políticas ao grupo para o qual trabalhava.

 

Missão

Procurado pela reportagem do Parintins 24 horas o publicitário Cleomar Eustáquio disse que o caso já tem 17 anos não lhe toca mais em nada, pois tudo foi resolvido e não perdeu os amigos. “Não perdi amigos e todos foram solidários comigo até os que me machucaram continuaram meus amigos, são meus amigos porque assim eu sou cristão e tento praticar. Hoje não tenho nenhum processo, nada graças a Deus estou tranquilo”, afirma.

 

Ao fim da entrevista ele reforçou o seu catolicismo assegurou que não foi convidado para fazer a campanha do prefeito Alexandre da Carbrás, mas ficará um ano na cidade. “O próprio prefeito já disse a reeleição dele só depende do povo”, concluiu.

 

A assessoria de comunicação da prefeitura de Parintins informou que o publicitário não tem ligações com a prefeitura e com o prefeito, mas esteve como organizador do seminário de avaliação dos problemas da ilha ocorrido na semana que passou.

portalParintins24h - Carlos Alexandre Ferreira

Sobe Catracas

DOMINGOS CHALUB, presidente do TJAM

Há um mês à frente do Tribunal de Justiça do Amazonas, convocou aprovados no concurso público do órgão de 2019

Desce Catracas

SYLVIO PUGA, reitor da UFAM

UFAM é a terceira instituição de ensino do país e o sétimo órgão federal com mais denúncias de assédio moral, segundo descCGU