Sábado, 04 de julho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 23/04/2015

Ano letivo Rural de Maués inicia na segunda, com abertura nesta quinta.

Ano letivo Rural de Maués inicia na segunda, com abertura nesta quinta. secretárrio Luiz Gonçalves

MAUÉS, AM -O secretário de Educação de Maués, Luiz Gonçalves, informou por meio de realese encaminhado pela assessoria de Imprensa da Prefeitura, que o ano letivo na zona rural do município inicia no dia 27 de abril, próxima segunda-feira. Mas, a abertura oficial do ano letivo rural acontece, nesta quinta (23) a partir das 8h, no ginásio padre Leão Martinelli e contará com a presença do prefeito padre Carlos Góes, professores, transportadores e lideranças comunitárias. A decisão anuncia ocorre um dia depois que a vereadora Martinéia Dinelli (Pros), denunciou, em matéria publicada no blog deAmazônia, que os alunos das comunidades rurais corriam o risco de perder o ano letivo, porque já estava no final do mês de abril e as aulas ainda não tinham iniciado.

 

“Nesta quinta-feira se fará de forma solene a abertura do ano escolar rural, sem prejuízos administrativos e pedagógicos pois, nossa administração promove e assegura o estado de direito”, afirmou o secretário. “As aulas  iniciarão no próximo dia 27 de abril e se estenderá até o dia 19 de janeiro de 2016, cumprindo com as 800 horas aulas e os 200 dias letivos assegurados em lei”, completou.

 

O titular da SEMED informou ainda que a Prefeitura encerrou, com sucesso, a contratação temporária de professores, por meio de Processo Seletivo, que atuarão na zona rural e também na área indígena.

 

O secretário Luiz Gonçalves também fez críticas ao trabalho da vereadora Martinéia. Segundo ele, a parlamentar desconhece a legislação, nunca visitou a SEMED, o Conselho Municipal de Educação e nem mesmo a Comissão que está trabalhando na Reestruturação do Plano de Carreira e Salário do professor da rede municipal de ensino. “ A vereadora desconhece  os encaminhamentos que foram adotados pertinentes ao calendário escolar rural de 2015. Só lamento e digo que estamos em outro nível. O comentário da vereadora não contribui em nada. Como representante do povo deveria mediar e articular projetos junto ao poder público e de interesse coletivo”, disse. 

 

“ A vereadora não tem conteúdo para fazer cobranças. Eu estou tranquilo. Não existe nada arbitrário. Tudo está amparado pelos marcos legais que legitimam nossos atos administrativos. O calendário foi enviado, analisado e aprovado pelo órgão competente que neste caso é o Conselho Municipal de Educação”, assinalou o secretário. O Secretário disse ainda que a vereadora deveria conhecer a Lei 9394/96 – LDB que fixa o quantitativo de dias letivos e as hora/aulas de todos os sistemas de ensino do país.

 

De acordo com Gonçalves, a novidade, assim como na região indígena, é a assinatura do contrato de trabalho, um direito garantido a esses profissionais, mas que ele afirma nunca ter sido cumprido. Ainda segunda o titula da SEMED de Maués, os selecionados já foram encaminhados às escolas, optadas no ato da inscrição. Após a abertura das atividades escolares na zona rural, a coordenação de educação no campo realiza no dia 24 de abril, a formação pedagógica de todos os professores aprovados para a zona rural.

 

Na matéria a vereadora Martinéia Dinelli (Pros), disse que os alunos estavam sendo prejudicados no ano letivo. “É um descaso com a educação de Maués”, afirmou ela. A vereadora criticou ainda a demora no processo Seletivo para contratação de professores e que por causa da cheia do rio, que estava na porta, muitas crianças ficariam com o rendimento escolar no prejuízo.

www.deamazonia.com.br

Tags:

Sobe Catracas

CILÉIA MESQUITA, tenente-coronel do Corpo de Bombeiros/PA

É a primeira mulher, em 27 anos, a assumir comando da Defesa Civil do Pará 

Desce Catracas

MÁRIO FILHO, prefeito de Marituba (PA)

Justiça Federal bloqueou R$ 7,4 milhões em bens do prefeito e secretária de educação, por suspeita de desvio de recursos do Fundef