Domingo, 03 de julho de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 18/05/2022

Conselheiro do TCE-AM suspende licitação da Prefeitura para aluguel de ambulâncias em Itacoatiara

Pregão estava marcado para acontecer nesta quinta (19)

Conselheiro do TCE-AM suspende licitação da Prefeitura para aluguel de ambulâncias em Itacoatiara	Josué Claudio, conselheiro do TCE

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O conselheiro-ouvidor do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM), Josué Cláudio, determinou, nesta quarta-feira (18), a suspensão imediata do Pregão Presencial para Registro de Preços nº 10/2022 para locação de ambulâncias pela Prefeitura de Itacoatiara.


A decisão foi publicada no Diário Oficial Eletrônico (DOE) do TCE-AM.

A decisão monocrática do conselheiro acontece após pedido de medida cautelar impetrado pela empresa Localeve Serviços de Locação LTDA., e que apontou que o Edital do pregão estaria exigindo dos licitantes a apresentação de Certificado de Registro Cadastral (CRC).

 

Segundo a empresa, o pedido de apresentação do documento não teria amparo legal, indo em desacordo com o que determina o artigo 32 da Lei de Licitações (8.666/93).


Ao deferir o pedido de medida cautelar suspendendo de forma imediata o pregão, o conselheiro-relator do processo, Josué Cláudio, destacou que, a princípio, identificou-se indícios de descumprimento dos preceitos legais estabelecidos pela lei de licitações quando foi colocado de forma obrigatória para participação do certame a apresentação do CRC emitido pela Comissão Geral de Licitação de Itacoatiara.



Ainda segundo Josué Cláudio, a suspensão imediata é justificável devido ao perigo da demora, já que a abertura do pregão presencial está prevista para esta quinta-feira (19).

O conselheiro também estabeleceu prazo de 15 dias para que a Prefeitura de Itacoatiara apresente documentos ou justificativas sobre o caso.

Sobe Catracas

ALESSANDRA CAMPÊLO, deputada estadual

Apresentou projeto de 'Lei Klara Castanho', que prevê punição de servidores que violam sigilo de adoção e nascimento, no Amazonas

Desce Catracas

LIRA CASTRO, ex-presidente da Câmara de Envira (AM)

TCE reprovou as contas dele de 2018 por supostas diárias não justificadas a servidores e contratos com documentações irregulares