Domingo, 03 de julho de 2022

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 12/05/2022

Prefeito cassado de Codajás tentou empréstimo de R$ 1 milhão, antes de sair

Quatro dias após perderem seus mandatos, Tonho Ferreira e o vice-prefeito queriam obter o dinheiro para realizar obras na cidade; VEJA

Prefeito cassado de Codajás tentou empréstimo de R$ 1 milhão, antes de sair O vice Glaucivan Gonçalves e o prefeito de Codajás,Tonho Ferreira, tiveram os mandatos cassados

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Quatro dias após ser cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas, por abuso do poder econômico, o prefeito de Codajás, Tonho Ferreira (Progressistas), tentou obter um empréstimo bancário em caráter de Urgência Especial no valor de R$ 1 milhão.

 

Tonho e o vice Cleucivan Gonçalves (Avante) tiveram os mandatos cassados na sexta-feira, dia 06, mas a decisão do Pleno do TRE-AM foi publicada no Diário Eletrônico somente na terça-feira (10/5).

 

Na segunda (9), um projeto de Lei com assinatura do vice Gleucivan, que estava como prefeito em exercício, pedia autorização da Câmara Municipal para que Tonho Ferreira fizesse o empréstimo bancário de R$ 1 milhão, com a justificativa de que o dinheiro seria usado em obras e instalações na cidade.

 

Mas, a suposta ‘cruzeta’ do prefeito cassado não foi adiante.

 

O então presidente da Câmara, vereador Betinho Antunes (Pros), que assumiu como prefeito interino de Codajás, nesta terça (10), e recebeu o projeto de lei, na segunda, ignorou o pedido.  

 

O prefeito e o vice tiveram os mandatos cassados sob acusação de uso de uma verba parlamentar, destinada a Colônia de Pescadores, na campanha eleitoral de 2020.

 

VEJA O PROJETO DE LEI QUE PREFEITO CASSADO ENCAMINHOU A CÂMARA 

 

 

Sobe Catracas

ALESSANDRA CAMPÊLO, deputada estadual

Apresentou projeto de 'Lei Klara Castanho', que prevê punição de servidores que violam sigilo de adoção e nascimento, no Amazonas

Desce Catracas

LIRA CASTRO, ex-presidente da Câmara de Envira (AM)

TCE reprovou as contas dele de 2018 por supostas diárias não justificadas a servidores e contratos com documentações irregulares