Sexta, 05 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 22/02/2021

TCE-AM suspende Processo Seletivo da Prefeitura de Coari e manda cancelar contratos

Conselheira Yara Lins cita, na decisão, que Coari está há mais de 15 anos sem concurso e que Prefeitura chegou a firmar TAC para realizar certame, mas não cumpriu o acordo

TCE-AM suspende Processo Seletivo da Prefeitura de Coari e manda cancelar contratos Parte central da cidade de Coari, no Amazonas (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA COARI, AM – A conselheira do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE/AM), Yara Lins, suspendeu o edital de Processo Seletivo (nº 001/2020) da Prefeitura de Coari (a 362 quilômetros de Manaus), realizado em novembro de 2020, com disponibilidade de 294 vagas, para contratar professores e pedagogos.

 

A decisão torna nulo todos os atos inerentes ao Seletivo, inclusive as contratações que estão em fase de homologação.

 

“DEFIRO O PEDIDO DE MEDIDA CAUTELAR, no sentido de suspender o Processo Seletivo Simplificado – Edital nº 001/2020, destinado à contratação de professores, bem como todos os atos a ele inerentes, incluindo as contratações dele decorrentes, até a devida comprovação da necessidade de contratação de servidores temporários para a SEMED, conforme explicado na fundamentação desta Decisão”, decide Yara Lins. [VEJA O DOCUMENTO, NA ÍNTEGRA]

 

O pedido de Medida Cautelar partiu de uma denúncia feita a Ouvidoria do órgão, pelo estudante de direito, Raione Cabral, contra a prefeita em exercício de Coari, Dulce Menezes (MDB).  A Representação foi aceita na quinta-feira (18/2), pela conselheira.

 

Na decisão monocrática, Yara Lins cita que Coari está há mais de 15 anos (desde 2005) sem realizar concurso público e que, conforme decisões do TCE proferidas em 2017, a Prefeitura só poderia realizar novas contratações temporárias nas hipóteses, devidamente comprovadas, de estado de calamidade, urgência ou emergência.

 

“[...] Não constam nos autos informações que comprovem a necessidade temporária de excepcional interesse público que pudessem legalizar a forma de contratação realizada pela Prefeitura Municipal de Coari, através do PPS 001/2020, sobretudo porque, mesmo instado a se manifestar, aquele ente não apresentou justificativas para tais contratações [...] tendo em vista que o processo seletivo rechaçado, sem a devida justificativa por parte da Prefeitura Municipal de Coari, contraria a legislação que normatiza a forma de contratação temporária, de forma que apresenta violação expressa à legislação federal vigente”, afirma a conselheira, no documento.

 

A conselheira do TCE-AM, diz ainda, na decisão, que tentou ouvir a Prefeitura de Coari, mas não houve apresentação de justificativas para as novas contratações temporárias em detrimento à realização de concurso público.

 

“Mesmo instada a se manifestar a Prefeitura Municipal de Coari não apresentou justificativas quanto aos fatos alegados, nem mesmo razões que pudessem justificar novas contratações temporárias em detrimento à realização de concurso público”, afirmou.

 

Na denúncia, Raione Cabral cita que desde 2018, a Secretaria Municipal de Educação vinha prorrogando uma contratação temporária de professores. Em novembro do ano passado, a prefeitura encerrou esses contratos e publicou o edital do novo processo seletivo. A prefeitura chegou a firmar um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com o TCE para realizar concurso público, mas não cumpriu com o acordo.

 

“Nesse sentido, essa temática não é nova neste TCE, sendo que, nos últimos 3 (três) anos, foram protocolizadas diversas Representações para impedir que a recorrente irregularidade na contratação temporária de servidores pela Prefeitura de Coari continuasse; até mesmo um Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) foi celebrado com aquela Prefeitura para viabilizar a realização de concurso público”, pontua a conselheira Yara Lins.

 

No entanto, Yara Lins firma que o termo foi arquivado “por falta de interesse do gestor municipal, permanecendo a recorrente permanência e recontratação de servidores temporários para as funções naquela prefeitura”.

 

Ainda conforme a decisão, a prefeita em exercício de Coari, Dulce Menezes deve ser oficiada para que tome ciência da Representação e da medida cautelar adotada e, no prazo de 5 (cinco) dias, apresente defesa e dos fatos narrados.

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

JANE MARA MORES, secretária de Assistência Social de Manaus

Prefeitura divulgou lista de beneficiados do auxílio manauara, que vão receber R$ 200, mas que traz  'nomes estranhos' e que passarão por nova análise