Sexta, 05 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 19/02/2021

Concultura analisa acervo histórico de Manaus e pretende criar 'museus-bibliotecas'

"Temos um patrimônio de documentos históricos muito rico, que contam nossa história administrativa e civilizatória, desde o período Imperial até nossos dias, e eles precisam ser disponibilizados à sociedade", afirmou o presidente do Concultura, o escritor Tenório Telles

Concultura analisa acervo histórico de Manaus e pretende criar 'museus-bibliotecas' Concultura analisa acervo histórico do Arquivo Municipal de Manaus (Fotos - Cristovão Nonato / Concultura)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Conselho Municipal de Cultura (Concultura) iniciou as análises de documentos históricos que integram o acervo do Arquivo Municipal de Manaus, hoje sob a coordenação da Casa Civil. O arquivo tem um inestimável acervo documental e histórico de Manaus, com documentos do Poder Executivo e do funcionalismo público, da intendência provincial à gestão atual da Prefeitura de Manaus.

 

Uma vez identificada a relevância desses documentos históricos, a ideia, segundo o presidente do Concultura, o escritor Tenório Telles, é de buscar e direcionar recursos para melhor estruturar esses arquivos e até criar salas como “museus-bibliotecas”.

 

“Temos um patrimônio de documentos históricos muito rico, que contam nossa história administrativa e civilizatória, desde o período Imperial até nossos dias, e eles precisam ser disponibilizados à sociedade para o exercício pleno da educação e cidadania. O prefeito David Almeida tem essa sensibilidade e compreensão de que cultura e a educação caminham juntas, por isso, todos os nossos futuros projetos terão essa finalidade, de resgatar nossa história para compartilhar, inclusive, nas salas de aulas”, destacou Tenório.

 

Nesta quinta-feira, 18/2, o vice-presidente do conselho, Neilo Batista, esteve na sede do Arquivo, localizada no centro da cidade, realizando uma visita institucional. A ideia é que os documentos históricos possam subsidiar futuros projetos culturais realizados pela prefeitura.

 

A valorização dos acervos documentais do município é uma das ações da nova gestão do Concultura. Segundo Neilo, visitas como essa acontecerão a outras instituições, que também possuem arquivos documentais com valor histórico.

 

“Sabemos da importância desses documentos e também das dificuldades de conservá-los. Além disso, entendemos a importância da disponibilização de todo esse material a pesquisadores e ao público em geral”, ressaltou Neilo.

 

Hoje, o arquivo público da Prefeitura de Manaus está com 30% do acervo digitalizado e conta com estantes fixas e deslizantes, que abrigam os milhares de documentos da municipalidade.

 

Público interno e acadêmico

A função do Arquivo Municipal é fazer a conservação dos documentos do gabinete do prefeito e secretarias, como portarias e atos administrativos, guardando as pastas funcionais dos servidores e fotografias que registram as obras, fiscalizações e vistorias das ações da municipalidade.

 

“Além de sua função administrativa, o Arquivo Público atende acadêmicos, que vão desde os alunos do ensino fundamental aos pesquisadores de universidades locais, nacionais e até internacionais, como de Portugal”, informa a diretora do Arquivo, Nereida Carvalho Amore.

 

“Temos no acervo, documentos públicos que remontam do final do século 18 ao período de transição do Império para a República e até os dias atuais. Uma coleção de registros preciosos para a história das políticas públicas municipais, da Belle Époque à Zona Franca de Manaus”, comentou o historiador e chefe de Conservação do Acervo, João da Silva Lopes, mostrando uma portaria assinada pelo intendente Adolpho Lisboa, de 1906.

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

JANE MARA MORES, secretária de Assistência Social de Manaus

Prefeitura divulgou lista de beneficiados do auxílio manauara, que vão receber R$ 200, mas que traz  'nomes estranhos' e que passarão por nova análise