Terça, 02 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 18/02/2021

Lira diz a Bolsonaro que Câmara confirmará prisão de deputado

Deputado bolsonarista defendeu AI-5, regime da ditadura e atacou ministros do STF

Lira diz a Bolsonaro que Câmara confirmará prisão de deputado Arthur Lira e Bolsonaro (Reprodução/Vídeo/CNN)

DEAMAZÔNIA BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou ao presidente Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira (18), que o plenário da Casa deve manter a prisão do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ). A informação é da Folha de São Paulo.

 

A prisão do parlamentar foi determinada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes e referendada na quarta (17) por unanimidade pelo plenário da Corte. Daniel foi preso por fazer diversas ofensas a magistrados, além de ameaçá-los e defender a ditadura militar em um vídeo. Agora, a decisão final é da Câmara Federal.

 

Conforme informações da jornalista Mônica Bérgamo, em coluna da Folha, para Bolsonaro, o país não pode parar por causa de um vídeo de 19 minutos feito por um deputado federal. Já Lira disse ao presidente que vem colhendo, no parlamento, o sentimento de que a prisão deve ser mantida.

 

Ainda conforme Bérgamo, Bolsonaro e Lira se reuniram na manhã de hoje (18) para discutir as pautas do governo no parlamento e falaram sobre a prisão do deputado.

 

“Havia uma preocupação, por parte da equipe do presidente, de que a crise gerada com a prisão de Daniel Silveira paralisasse o andamento de projetos considerados prioritários pelo governo, como a PEC emergencial, a aprovação do orçamento e a reforma administrativa”, diz Mônica Bérgamo, no texto.

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

DILMA SERRÃO, ex-prefeita de Belterra (PA)

TCU reprovou as contas e condenou ex-prefeita a devolver R$ 100 mil ao MEC, por não comprovar recursos do FNDE, recebidos em 2015