Terça, 02 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 15/02/2021

Em Projeto de Lei, Zé Ricardo quer garantir vacinação contra covid aos indígenas que vivem em áreas urbanas

"Somente em Manaus, residem cerca de 20 mil indígenas, para quem não foi dada a devida atenção, com relação ao atendimento de saúde do Governo Federal, por estarem fora das suas aldeias", afirmou o deputado

Em Projeto de Lei, Zé Ricardo quer garantir vacinação contra covid aos indígenas que vivem em áreas urbanas 3ª Marcha Indígena do Amazonas, em 2019 (Foto: Cristiane Silveira/Ascom Deputado)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Com o início da vacinação contra a Covid-19, os povos indígenas residentes em áreas urbanas ficaram fora do Plano Nacional de Imunização (PNI), não sendo incluídos como parte dos grupos prioritários mais vulneráveis.

 

Tentando reparar o que considera um equívoco do Ministério da Saúde, reiterado por todas as instituições que atuam nessa área no Brasil, o deputado federal Zé Ricardo (PT/AM) apresentou esta semana Projeto de Lei que altera a Lei nº 14.021, de 7/7/20, que dispõe sobre medidas de proteção social para prevenção do contágio e da disseminação da Covid-19 nos territórios indígenas, para priorização dos que vivem fora das terras indígenas, em áreas urbanas ou rurais, no Plano Nacional de Imunização.

 

A Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia (Coiab) informou que somente na Amazônia brasileira são 32.927 casos confirmados e 760 mortes em decorrência da Covid-19 (até o último dia 1º). Em todo o país, já somam 948 vítimas fatais, e os 47.752 casos confirmados foram detectados em 161 povos diferentes.

 

Para Zé Ricardo, é inadmissível que tenham excluído da vacinação os indígenas que vivem nas áreas urbanas, dada à gravidade do avanço da pandemia no país e, principalmente, na região da Amazônia e no Amazonas, com números de contaminações e mortes avassaladores nesta segunda onda de contágio, atingindo também esses povos.

 

“Consideramos uma atitude arbitrária, por parte dos governantes, e que precisa ser corrigida urgentemente. Somente em Manaus, residem cerca de 20 mil indígenas, para quem não foi dada a devida atenção, com relação ao atendimento de saúde do Governo Federal, por estarem fora das suas aldeias. Nessa pandemia, muitos deles estão sendo contaminados e morrendo pelo grande descaso”.

 

No Brasil, um grande número de indígenas passou a viver na área urbana, mas não perdeu sua identidade. São mais de 324.8 mil índios nessa situação, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), correspondendo a 36,2% do número de indígenas no país, que totalizam 896.917 pessoas.

 

“Por isso, é de extrema urgência a priorização de imunização desses povos, pois o fato de residirem na cidade não significa que perderam a condição de vulneráveis, no tocante a esse e outros vírus. Pelo contrário, são tão vítimas quanto os que vivem nas aldeias e áreas rurais”, completou o parlamentar. 

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

DILMA SERRÃO, ex-prefeita de Belterra (PA)

TCU reprovou as contas e condenou ex-prefeita a devolver R$ 100 mil ao MEC, por não comprovar recursos do FNDE, recebidos em 2015