Sexta, 05 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 26/01/2021

Bolsonaro não autoriza há 9 dias voos da ONU e EUA com oxigênio para Manaus

Sem aviões da FAB para o transporte, Joe Biden espera, até hoje (26) resposta, com carga parada para socorrer Manaus; Marcelo Ramos protestou

Bolsonaro não autoriza há 9 dias voos da ONU e EUA com oxigênio para Manaus Bolsonaro não autoriza há 9 dias voos da ONU e EUA com oxigênio para Manaus (Foto: Tiago Corrêa)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Há nove dias a carga de oxigênio que a ONU e o governo dos EUA decidiram enviar a Manaus para socorrer doentes de coronavírus está encalhada porque o governo Bolsonaro, não autorizou os voos para o Brasil.

 

Como o governo brasileiro não dispunha dos aviões da FAB, o governo americano liberou uma aeronave e a ONU dois aviões para transportar, em regime de urgência, os oxigênios, mas o Ministério das Relações Exteriores e o presidente nunca responderam a proposta da Organização das Nações Unidas e do presidente Joe Biden.

 

A carga de oxigênio foi conseguida numa intermediação do deputado federal, Marcelo Ramos (PL), que fez um apelo ao governo americano por ajuda a Manaus. 

 

“É lamentável depois de todo esforço do @AmazonasGoverno e nossa intermediação que até hoje não tenhamos esses aviões operando pra salvar a vida dos amazonenses por desleixo e/ou incompetência”, afirmou o deputado, em sua conta do Twitter.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello está em Manaus há quatro dias. Pazuello não falou com a imprensa até agora.   

 

O Amazonas já ultrapassou, esta semana, 7 mil mortos por covid. Muitos pacientes continuam morrendo por falta de oxigênios nos hospitais da capital amazonense.

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

JANE MARA MORES, secretária de Assistência Social de Manaus

Prefeitura divulgou lista de beneficiados do auxílio manauara, que vão receber R$ 200, mas que traz  'nomes estranhos' e que passarão por nova análise