Segunda, 01 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 18/01/2021

Prefeito de Carauari vai inaugurar ‘Centro de Remédio Inútil’ e distribuir 20 mil Ivermectina ao povo

Um dia após aprovação da vacina no Brasil, Bruno Ramalho fará evento, com aglomeração, nesta segunda (18), para inaugurar ‘Centro de Tratamento Precoce’ com remédio sem comprovação científica, segunda Anvisa

Prefeito de Carauari vai inaugurar ‘Centro de Remédio Inútil’ e distribuir 20 mil Ivermectina ao povo Prefeito de Carauari vai inaugurar Centro Precoce com Ivermectina

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Um dia após a aprovação da Coronavac pela Anvisa ( Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o prefeito de Carauari ( a 702 quilômetros de Manaus), Bruno Ramalho (MDB), marcou para esta segunda-feira (18/1), a inauguração do Centro Precoce de Tratamento contra a covid-19, para distribuir 20 mil Ivermectina aos moradores da cidade.

 

Na entrada deste Centro, que vai funcionar numa quadra de esportes, Bruno Ramalho, mandou colocar na entrada uma placa imensa com o nome de destaque da Ivermectina, um ‘remédio inútil’ que foi duramente condenado, ontem (17/1), pelos cientistas da Anvisa durante a aprovação da vacina.

 

E o que é pior: o prefeito está convocando o povo para aglomeração na inauguração do Centro Profilaxo para tratar os doentes de coronavírus. Pelo andar da banda é a maior ação já feita por Bruno Ramalho nesta pandemia.   

 

A ivermectina e a cloroquina são remédios prescritos pelo presidente Bolsonaro, e que foi endossado pelo Ministério da Saúde, sem nenhuma recomendação científica para tratamento precoce da covid-19.

 

Neste domingo (17), o Tuitter apagou postagem da página oficial do Ministério da Saúde por divulgar fake news sobre o tratamento da covid-19.

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

DILMA SERRÃO, ex-prefeita de Belterra (PA)

TCU reprovou as contas e condenou ex-prefeita a devolver R$ 100 mil ao MEC, por não comprovar recursos do FNDE, recebidos em 2015