Segunda, 01 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 16/01/2021

Desde novembro, Amazonas já sabia da insuficiência de oxigênio nos hospitais

Informação consta no relatório da SES/AM, segundo reportagem do Estadão

Desde novembro, Amazonas já sabia da insuficiência de oxigênio nos hospitais Desde novembro, Amazonas já sabia da insuficiência de oxigênio nos hospitais

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Em novembro de 2020, já era do conhecimento da Secretaria de Saúde do Amazonas que a quantidade de oxigênio hospitalar disponível, em Manaus, seria insuficiente para atender a alta demanda provocada pela pandemia de covid-19.  É o que diz matéria do Estadão, deste sábado (16/1).  

 

‘A informação consta de projeto básico, que foi elaborado pela própria pasta, para a última compra extra do insumo, realizada no fim do ano passado. Principal fornecedora do Estado, a White Martins informou que, se o contrato tivesse previsto um pedido maior na oportunidade, a empresa teria conseguido atendê-lo”, diz a reportagem assinada pelo jornalista Felipe Resk.

 

Em 23 de novembro, relatório da SES/AM já admitiu que os casos de coronavírus eram altos para o período e que o consumo de oxigênio já era insuficiente.

 

Em agosto, o governo do Amazonas também foi avisado da segunda onda pelos cientistas que estudam a covid-a9 na Amazônia e que janeiro de 2021 seria um mês apocalíptico, caso não houvesse o lockdown. Os alertas foram ignorados. 

 

Este sábado (16/1), foi mais um dia de caos nos hospitais e unidades de saúde em Manaus sobre a falta de oxigênio para os doentes. O interior do Estado também já começa a ser atingido. 

 

Em Nota ao Estadão a Secretaria de Saúde do Amazonas diz que “sempre contratou todo o insumo que a White Martins foi capaz de produzir”. Segundo a SES o consumo de oxigênio no primeiro pico da pandemia no Amazonas saltou de 14 mil para 30 mil m³, por dia e que atualmente é 76,5 mil m³/diário, o que para este cenário, o insumo contratado só duraria quatro dias.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA DO ESTADÃO   

 

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

DILMA SERRÃO, ex-prefeita de Belterra (PA)

TCU reprovou as contas e condenou ex-prefeita a devolver R$ 100 mil ao MEC, por não comprovar recursos do FNDE, recebidos em 2015