Terça, 26 de janeiro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/01/2021

Prefeito de Manaus diz que se fosse governador do AM também proibia entrada de barcos do Pará

'Hospitais de Manaus e Parintins recebem pacientes oriundos do Pará', disse David Almeida, após Helder Barbalho fechar divisa PA/AM   

Prefeito de Manaus diz que se fosse governador do AM também proibia entrada de barcos do Pará Prefeito de Manaus, David Almeida

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), disse na noite desta quarta-feira (13/1), que se fosse o governador do Estado também baixaria um decreto proibindo barcos paraenses de trafegar no Amazonas.

 

O motivo da polêmica, é que nesta quinta (14) o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), baixou um decreto fechando a divisa com o Amazonas para proibir a entrada de barcos com passageiros. O anúncio da decisão de Barbalho foi feito nesta na quarta-feira (13), em vídeo postado nas redes sociais.

 

A barreira que bloqueia a entrada de barcos do Amazonas no Pará, será instalada em Juruti, que faz divisa com Parintins.

 

“Eu sou o prefeito de Manaus,  mas se eu fosse o governador, aplicaria o princípio da reciprocidade com relação ao governador do Pará. Até porque muitos dos nossos pacientes, que nós atendemos nas nossas unidades de saúde de Manaus e também na cidade de Parintins,  que faz divisa, eles são pacientes vindos os estado do Pará”, afirmou David Almeida, demonstrando descontentamento com a medida.

 

O Hospital de Referência de tratamento de Covid, em Parintins (AM), recebe pacientes de Faro, Terra Santa, Juruti e Oriximiná, do Oeste do Pará.

 

A declaração do prefeito de Manaus foi durante a entrevista para a Band Notícias. ASSISTA:

Sobe Catracas

JAIZA FRAXE, juíza federal do Amazonas

Reteu lotes da AstraZeneca/Oxford e só vai autorizar imunização, em Manaus, após Prefeitura comprovar transparência na vacinação

Desce Catracas

EDUARDO PAZUELLO, general e ministro da Saúde

PGR pediu abertura de inquérito no STF contra o ministro, devido mortes de pacientes, por falta de oxigênio, em tratamento de covid-19, em Manaus