Terça, 26 de janeiro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 13/01/2021

Câmara dos Estados Unidos aprova impeachment de Donald Trump

Presidente pode ser julgado pelo Senado mesmo depois de deixar o cargo e, se for condenado, democratas querem cassar seus direitos políticos

Câmara dos Estados Unidos aprova impeachment de Donald Trump Câmara dos Estados Unidos aprova impeachment de Donald Trump ( Reprodução)

A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou o impeachment do presidente Donald Trump nesta quarta-feira (13). Foram 232 votos a favor e 197 contra, e quatro deputados não votaram. Entre os que votaram a favor estão 10 membros do Partido Republicano, o mesmo de Trump. Outros quatro republicanos não votaram. Os democratas foram unânimes nos votos a favor e apenas um não votou. A decisão final caberá ao Senado.

 

Após um longo debate, os congressistas aprovaram a tese de acusação de "incitamento à insurreição", no episódio da invasão ao Capitólio.

 

Durante o debate antes da votação, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, havia pedido a republicanos e democratas que "consultassem suas almas" antes de definirem o voto.

 

Trump "deve ir [embora]. Ele é um perigo claro e presente para a nação que todos amamos'', afirmou Pelosi, de acordo com a AP.

 

Donald Trump é o primeiro presidente dos EUA a ter o impeachment votado pela Câmara do país por duas vezes. O primeiro pedido de impeachment, que foi aprovado, acusou Trump de abuso de poder e obstrução do Congresso. O Senado absolveu o presidente das acusações.

 

Pouco antes do início da votação, Steny Hoyer, membro do Partido Democrata, pediu aos legisladores que "rejeitem a sedição, a tirania e a insurreição" e votem pelo impeachment de Trump "pela América, por nossa constituição, pela democracia, pela história".

SPUTINIK

Sobe Catracas

JAIZA FRAXE, juíza federal do Amazonas

Reteu lotes da AstraZeneca/Oxford e só vai autorizar imunização, em Manaus, após Prefeitura comprovar transparência na vacinação

Desce Catracas

EDUARDO PAZUELLO, general e ministro da Saúde

PGR pediu abertura de inquérito no STF contra o ministro, devido mortes de pacientes, por falta de oxigênio, em tratamento de covid-19, em Manaus