Terça, 26 de janeiro de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/01/2021

Rede aciona STF para que Anvisa aprove CoronaVac em 72 horas

Ação foi protocolada nesta segunda-feira (11); partido também quer informações dos processos de registro de outras vacinas

Rede aciona STF para que Anvisa aprove CoronaVac em 72 horas A CoronaVac, vacina produzida pela pela Sinovac Life Science Co com parceria do Instituto Butantan (Foto: Divulgação/Butantan)

BRASÍLIA - O partido Rede Sustentabilidade protocolou, nesta segunda-feira (11), ação junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) apresente, em até 72 horas, o registro do uso emergencial da CoronaVac, vacina contra a covid-19 produzida pela parceria entre Instituto Butantan e laboratório chinês Sinovac.

 

A sigla pede também que a Anvisa apresente o atual estágio procedimental do registro emergencial das vacinas CoronaVac e CoviShield (Oxford/AstraZeneca), solicitada pela Fundação Oswaldo Cruz, “demonstrando, de forma comparativa, a documentação solicitada e apresentada, para assegurar total transparência do procedimento”.

 

A Anvisa informou que recebeu o pedido de autorização para uso emergencial da CoronaVac na última sexta-feira (8). A Fiocruz também fez a solicitação da CoviShield no mesmo dia. A agência terá 10 dias para aprovar cada pedido. Dessa forma, o prazo vai até o dia 18 de janeiro.

 

"Tais fatos relevantes indicam que a CoronaVac é, ao que consta, cientificamente segura e eficaz para a imunização da população mundial contra o coronavírus. E, de acordo com os testes e inúmeros relatórios empreendidos e entregues pelo Instituto Butantan à Anvisa, todas as comprovações estão devidamente documentadas e podem ser cientificamente aferidas, razão por que não se deveria cogitar de empecilhos indevidos à aprovação do uso emergencial do imunizante no Brasil", afirma o documento da Rede.

 

leia mais em R7

Sobe Catracas

JAIZA FRAXE, juíza federal do Amazonas

Reteu lotes da AstraZeneca/Oxford e só vai autorizar imunização, em Manaus, após Prefeitura comprovar transparência na vacinação

Desce Catracas

EDUARDO PAZUELLO, general e ministro da Saúde

PGR pediu abertura de inquérito no STF contra o ministro, devido mortes de pacientes, por falta de oxigênio, em tratamento de covid-19, em Manaus