Segunda, 01 de março de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 06/01/2021

Pelo twitter, Bolsonaro suspende compra de seringas até que 'preços voltem a normalidade'

Na semana passada, o Ministério da Saúde fracassou na primeira tentativa para comprar seringas e agulhas; Brasil segue sem previsão para vacinar contra covid-19

Pelo twitter, Bolsonaro suspende compra de seringas até que 'preços voltem a normalidade' Bolsonaro suspende compra de seringas até que preços voltem ao normal

DEAMAZÔNIA BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro, sem partido, decidiu nesta quarta-feira (6) suspender a compra de seringas para imunização contra a Covid-19, alegando que o preço ofertado pelas fabricantes é alto. O anúncio foi feito pelo próprio Bolsonaro, num Twitter.

 

"O Brasil consome 300 milhões de seringa, por ano. Também somos um dos maiores fabricantes desse material. Como houve interesse do Ministério da Saúde em adquirir seringas para o seu estoque regulador os preços dispararam e o MS suspendeu a compra até que os preços voltem à normalidade', escreveu o presidente em sua conta no twitter. 

 

Bolsonaro escreveu também que os estados possuem estoques o suficiente para vacinarem a curto prazo. A informação não foi confirmada pelos governadores. 

 

Ele concluiu sua postagem fazendo novos ataques à imprensa e afirmou que há manipulação na divulgação de informações a respeito da vacinação em outros países. 

 

Lentidão 

A lentidão na aquisição de insumos básicos torna o início do plano nacional de imunização cada vez mais distante e confuso, no momento em que países já vacinam em massa suas populações. Na América Latina, Argentina, Chile e México já iniciaram o processo. 

Sobe Catracas

MARIVELTON BARROSO, líder da etnia Baré

Venceu prêmio internacional da Revista Vanity Fair, que homenageia personalidades que mais se destacam pelo mundo, com projetos inovadores de turismo suntentável

Desce Catracas

DILMA SERRÃO, ex-prefeita de Belterra (PA)

TCU reprovou as contas e condenou ex-prefeita a devolver R$ 100 mil ao MEC, por não comprovar recursos do FNDE, recebidos em 2015