Sábado, 17 de abril de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 14/11/2020

Força Federal não inibe violência em Nhamundá e Israel Paulain pede ao juiz ‘Toque de Recolher’

Homem foi cacetado, pároco foi atacado nas redes, e prefeito incita violência nas ruas, na noite deste sábado (14); VÍDEOS

Força Federal não inibe violência em Nhamundá e Israel Paulain pede ao juiz ‘Toque de Recolher’

NHAMUNDÁ, AM - Com Nhamundá em clima de tensão, após um homem ser cacetado com uma estaca, o ‘gabinete do ódio’ do prefeito Nêne Machado (PROS) atacar o pároco Ozéias Cativo e do próprio chefe do Executivo incitar a violência nas ruas, a coligação ‘ A mudança de Verdade’,  do candidato de oposição Israel Paulain (MDB), ingressou com pedido de urgência ao juiz Eleitoral, Marcelo Cruz de Oliveira, para que seja decretado toque de recolher na cidade. 

 

A presença das Forças Federais não inibiu o clima de violência em Nhamundá. A tropa federal chegou hoje (14). 

 

Pela manhã, um homem ligado ao prefeito cacetou outro homem simpatizante a candidatura de Israel Paulain. Ele foi cacetado, com uma estaca, no meio de outras pessoas, pelas costas e caiu desmaiado. A cena foi gravada por populares. O agressor foi identificado como Bolezinho e a vítima chama-se Milson Cascão. O caso está na polícia. Não há informações sobre a saúde da vítima, que foi conduzido ao hospital.

  
VÍDEO FLAGRANTE DO MOMENTO EM QUE HOMEM É CACETADO 

O clima ficou ainda mais tenso com denúncia de compra de votos no rio. Na sexta feita (13/11), o comandante de um barco foi preso transportando 500 passageiros, que chegou a Nhamundá. (foto).

 

Na noite deste sábado (14/11), o prefeito Nenê Machado se envolveu em outra confusão com eleitores, do grupo adversário ( VÍDEO). A informação é que prefeito circula na cidade acompanhado de muitos capangas.

Sobe Catracas

JOEL SILVA, catador de lixo

Morador da periferia de Belém, estudou com doações de livros e foi aprovado em 2º lugar no vestibular da UFPA, para o curso de medicina

Desce Catracas

BETO D'ÂNGELO, prefeito de Manacapuru

Em plena pandemia, prefeitura contratou empresas para compra de R$ 6 milhões em materiais de expediente e limpeza, e serviços de engenharia