Domingo, 20 de setembro de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 05/08/2020

Depois de promover festa de forró e aumentar casos de covid, prefeito suspende eventos

Prefeito de Rio Preto da Eva publicou novo decreto impondo capacidade entre 40% a 50% a presença de público em balneários e uso de máscaras

Depois de promover festa de forró e aumentar casos de covid, prefeito suspende eventos Prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson Sousa apoiou e esteve no forró com mais de 500 pessoas (Foto: Divulgação)

DEAMAZÔNIA RIO PRETO DA EVA, AM - Depois de apoiar e participar de uma festa de forró com aglomeração de aproximadamente 500 pessoas, no dia 25 de julho, o prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson Sousa (Progressistas), resolveu publicar decreto, no dia 30 de julho, onde suspende  eventos e funcionamento de casas de show e reduziu a capacidade em até 50% de frequentadores em, balneários, atividades esportivas, lazer e entretenimento em prevenção a covid-19. No novo decreto o prefeito determina ainda que seja obrigatório o uso de máscaras. 

 

Após a festa, denominada 20ª edição da 'Festa da Fogueira', com Berg Guerra, realizada na comunidade do Alto Rio, os casos do novo coronavírus dispararam em Rio Preto da Eva. O ‘arrocha’ do prefeito varou a madrugada. (Veja os dados do boletim epidemiológico da Prefeitura de Rio Preto ao final da matéria). 

No novo decreto, os bares só podem funcionar até meia-noite. “Os bares, que poderão funcionar, até às 00h00, apenas na modalidade restaurante, balneários e similares, obedecendo às restrições impostas a estes, com ocupação máxima de 50% de sua capacidade”, diz trecho.

 

"As apresentações de artistas, ao vivo, em restaurantes e bares, na modalidade mencionada na alínea anterior, sendo permitidos, no máximo, 3 (três) componentes, e respeitando-se o distanciamento mínimo de 1,5m (um metro e meio) entre os músicos, e de 2m (dois metros), entre os músicos e os clientes", escreve ainda o prefeito, no seu novo 'decreto rigoroso'.

 

No dia 29 de maio, Anderson já havia flexibilizado gradualmente as atividades econômicas e sociais, mas decidiu, novamente, impor mais rigor no isolamento social, principalmente nos serviços de entretenimento e lazer, como este novo decreto.

Acontece que o prefeito de Rio Preto desobedeceu o próprio decreto ao incentivar e patrocinar festa, que foi apelidada pelos moradores de ‘forró da morte’, com aglomeração e descumprimento de medidas sanitárias.

 

Anderson que esteve na festa acompanhado da primeira dama Soraya Almeida, do vice-prefeito Neto do Baixo Rio, e do vereador Osvaldo do Alto Rio, aparece em fotos posando abraçado com os convidados, todos sem máscaras e sem s cuidados recomendados pela OMS e Ministério da Saúde.

 

Depois do forró do dia 25 de julho, já havia uma nova festa marcada para o dia 1o de julho, que a Prefeitura do Rio Petro támbém patrocinaria a sua realização, mas o evento foi cancelado, após Anderson publicar novo decreto. 

 

CRESCE CASOS DE COVID EM RIO PRETO

Para confirmar que os casos de covid cresceram significativamente após o ‘forró da morte’ basta observar os gráficos da pandemia.

 

No dia 1º de julho, em Rio Preto da Eva, o número de pessoas infectadas por Covid-19 ainda era baixo em média, uma média de dois a três casos por dia.

 

 No entanto, após o forró de Berg Guerra, patrocinada oficialmente pela Prefeitura, Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria de Turismo e vereador Osvaldo, houve um aumento de 173 casos confirmados de coronavírus em oito dias, que corresponde a uma média de 21 infectados por dia.

 

No dia 30, por exemplo, dia que o prefeito publicou o decreto, foram confirmados 40 pessoas infectadas em 24 horas.

 

Rio Preto da Eva já tem o total de 900 casos confirmados da Covid-19. O vírus já matou 15 pessoas na cidade.

VEJA OS GRÁFICOS:

 

 

Sobe Catracas

ORMY DA CONCEIÇÃO BENTES, desembargadora do AM

Magistrada foi eleita presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT11), para biênio 2020/2022

Desce Catracas

CHICO COSTA, ex-prefeito de Carauari

TCE-AM multou o ex-prefeito em R$134,6 mil por convênio irregular firmado com a Seduc em 2014