Sábado, 15 de agosto de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 01/08/2020

MPAM abre investigação sobre mortes em maternidades públicas de Manaus

A promotoria considera que as causas desses óbitos são multifatoriais e que, em muitos casos, podem ser evitadas

MPAM abre investigação sobre mortes em maternidades públicas de Manaus Maternidade Ana Braga em Manaus

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O Ministério Público estadual instaurou inquérito civil para investigar as causas dos óbitos e maternos ocorridos nas maternidades da cidade de Manaus e avaliar as medidas de prevenção e contenção desses casos que estão sendo adotadas pelos gestores públicos.

 

O inquérito foi aberto pela 58ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos à Saúde Pública e considerou o resultado das reuniões da promotoria com o Comitê Estadual de Prevenção do Óbito Materno, Infantil e Fetal que relatou a ocorrência de mulheres grávidas nas maternidades públicas de Manaus, apresentando quadros de pré-eclampsia, eclampsia, hemorragias graves entre outros problemas e vindo a falecer.

 

A promotoria considera que as causas desses óbitos são multifatoriais e que, em muitos casos, podem ser evitadas com trabalho de prevenção que impeça a evolução para um quadro clínico mais grave.

 

O Ministério Público também ressalta que a falta de dados exatos sobre as causas dos óbitos maternos impede o conhecimento da real dimensão dessa problemática na saúde pública tanto do estado quanto do poder municipal. A 58ª Promotoria da área de Saúde tem como titular a promotora de Justiça Silvana Nobre Cabral.

 

A portaria de instauração do inquérito está publicada na edição do Diário Oficial Eletrônico do Ministério Público (DOMP) desta quinta-feira (30), páginas 12 e 13, PORTARIA Nº 0020/2020/58P.

Sobe Catracas

SORAYA FREIRE, professora da rede municipal de Manaus

Desenvolveu guia sobre trabalho infantil, para professores, e ganhou destaque em matéria publicada no jornal 'Estadão'

Desce Catracas

AGUINALDO RODRIGUES, ex-prefeito de Manaquiri

Justiça Federal condenou o ex-prefeito por não prestar contas de recursos federais destinados à educação no município