Sexta, 14 de agosto de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 30/07/2020

Relator da Comissão de Impeachment pede arquivamento de denúncias contra Wilson

A presidente da Comissão Especial, Alessandra Campelo, convocou sessão nesta sexta (31) para discutir se parecer será deliberado

Relator da Comissão de Impeachment pede arquivamento de denúncias contra Wilson Deputado Francisco Gomes, o doutor Gomes (Foto: Danilo Mello)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O deputado Francisco Gomes (PSC), relator da Comissão Especial de Impeachment do governador Wilson Lima (PSC) e vice Carlos Almeida (PTB), apresentou, nesta quinta-feira (30), relatório pedindo pelo arquivamento do processo apresentado à  Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), pelo Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam).

 

De acordo com a deputada Alessandra Campêlo (MDB), que é presidente da Comissão, o grupo se reunirá nesta sexta-feira (31), às 11h, para discutir e deliberar, ou não, sobre o parecer.

 

Para rejeitar as denúncias de crime de responsabilidade e improbidade administrativa, feitas pelos médicos Mario Vianna e Patrícia Sicchar, o relator argumenta que todas as alegações foram contestadas de modo satisfatório e convincente pelos denunciados.

 

No pedido de impeachment, dos dias 21 e 22 de abril, os médicos apresentaram como “crimes de responsabilidade e improbidade administrativa” os eventos divulgados em 2019 sobre a crise na saúde do estado do Amazonas, principalmente relacionado a compra de respiradores.

 

Rito

Em até 48 horas após a publicação do parecer, o documento será incluído na Ordem do Dia e discutido em Plenário. Cinco representantes de cada partido ou bloco partidário poderão falar, durante uma hora, sobre o parecer.

 

Após a discussão e votação nominal aberta, o processo poderá ser arquivado ou recebido. O quórum para deliberação é de maioria simples.

Sobe Catracas

ARLINDO NETO, cantor

Estreou em grande estilo, em apresentação solo, seguindo legado do pai

Desce Catracas

DELEGADO PABLO OLIVA, deputado federal

Investigado por usar mãe e irmão como laranjas em suposto esquema de corrupção