Sexta, 18 de junho de 2021

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 11/07/2020

Sidney Leite defende novo Fundeb permanente, em votação de terça (14), no Congresso

Governo Bolsonaro já propôs fim do Fundeb, e agora quer que fundo tenha validade por apenas 10 anos

Sidney Leite defende novo Fundeb permanente, em votação de terça (14), no Congresso (Foto: Claudio Andrade/Câmara dos Deputados)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - O deputado federal Sidney Leite (PDT) se posicionou, nas redes sociais, nesta sexta-feira (10/7), a favor da aprovação do novo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), que tramita no Congresso Nacional, por meio da PEC 15/15 e deve ir a votação nesta terça-feira (14/7).

 

O texto propõe tornar o Fundeb permanente e com maior investimento do Governo Federal na educação. O governo Bolsonaro é contra. Em novembro de 2019, a proposta econômica do governo era de acabar com o Fundo, deixando de investir em creches, pré-escolas, educação Infantil, ensino fundamental e médio, educação especial e de jovens e adultos.

 

Agora, em nova investida, o Planalto quer que o Fundo tenha validade de apenas 10 anos.

 

“Há uma proposta de emenda constitucional (PEC 15/15) tramitando no Congresso Nacional, que por sinal, tem o meu apoio e meu voto a favor. Com mais força, mais recursos, mais participativo e permanente, corrigindo as distorções entre estados ricos e pobres, como é o caso do nosso Amazonas, que possui baixo IDH”, escreveu o deputado federal, nas redes sociais.

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), prometeu colocar a proposta para votação nesta terça.

 

O atual Fundeb foi criado em 2006, no governo Lula, porém com prazo de validade, que vence no dia 31 de dezembro.

 

Caso o Fundeb não seja renovado, colocará em risco 94,2% das matrículas da educação básica, de acordo com nota técnica do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). O fundo garante o subsídio para mais de 40 milhões de matrículas de redes estaduais e municipais de ensino e um piso salarial para professores e demais trabalhadores da educação.

 

ALTERAÇÕES

Entre as alterações que irão compor o novo Fundeb, está o aumento da participação do governo federal no aporte de recursos para o Fundo dos atuais 10% para 20% em 2026, começando em 2021 em 15 % e a partir daí o aumento é de um ponto percentual a cada ano até chegar em 20% em cinco anos. E continua garantindo um Piso Salarial Nacional para o magistério.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Em dezembro deste ano, o Fundeb acaba, mas quero informar aos alunos e profissionais da educação, que o novo Fundeb está chegando! Há uma proposta de emenda constitucional (PEC 15/15) tramitando no Congresso Nacional, que por sinal, tem o meu apoio e meu voto a favor. Com mais força, mais recursos, mais participativo e permanente, corrigindo as distorções entre estados ricos e pobres, como é o caso do nosso Amazonas, que possui baixo IDH. Quer saber mais sobre o assunto? Acompanha o vídeo que preparei a você! #manaus #amazonas #fundeb #novofundeb #corrigir #desigualdade #educação #oportunidade #afavor #sidneyleite

Uma publicação compartilhada por Sidney Leite (@sidneyleite_) em

Sobe Catracas

ALEXANDRE FELIPE, professor da rede municipal de Manaus

Conquistou 2º lugar em prêmio nacional 'Diamante da Educação' por projeto que transforma lixo em instrumento de percussão para alunos

Desce Catracas

AIRTON SOUZA, vereador de Monte Alegre (PA)

Vereador é acusado de ameaçar oficial de Justiça e um sargento da PM, após receber intimação para audiência de conciliação de um processo agrário