Terça, 24 de novembro de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 21/05/2020

Arthur sobre Bolsonaro à Imprensa Internacional:‘delinquente, levou muitas pessoas a morte’

Em entrevista  ao jornal "Financial Times" e a revista "Times",  prefeito de Manaus diz que presidente é corresponsável por mortes de coronavírus  

Arthur sobre Bolsonaro à Imprensa Internacional:‘delinquente, levou muitas pessoas a morte’ Prefeito de Manaus, Arthur Neto ( Fotos – Márcio James / Semcom)

DEAMAZÔNIA MANAUS, AM - Dois importantes veículos de comunicação, de credibilidade mundial, o jornal "Financial Times" e a revista "Times", publicaram amplas reportagens sobre o avanço da Covid-19 no Brasil, colocando Manaus e o Amazonas como áreas críticas dos efeitos do novo coronavírus. Em ambas, o prefeito Arthur Virgílio Neto criticou a postura do presidente Jair Bolsonaro, que segue contrariando recomendações quanto ao isolamento social.

 

“O presidente é corresponsável por muitas mortes da Covid-19”, diz Arthur Virgílio à revista "Time". A publicação enfatiza que o prefeito “viu sua cidade ser tomada pelo vírus no final de abril” e segue com fala mais dura do prefeito ao presidente. “Com uma pregação irresponsável, quase delinquente, ele encoraja as pessoas a irem às ruas. Ele levou muitas pessoas à morte”, diz.

 

Já o jornal diário inglês "Financial Times" descreve que, no início de maio, Bolsonaro emitiu um decreto dizendo que cabeleireiros e academias eram serviços essenciais e deveriam reabrir, embora a demanda tenha sido ignorada pela maioria dos governadores estaduais. “Foi um gesto fútil do presidente, mas que foi planejado para provocar aqueles que lutam pelo isolamento social”, disse o prefeito de Manaus, ao periódico especializado em economia.

 

Ambas as publicações colocam o Brasil como o novo foco da Covid-19 no mundo e avaliam o comportamento do presidente Jair Bolsonaro diante da crise, citando Manaus e o Amazonas como pontos críticos da pandemia. A "Times", que ouviu governadores e especialistas diz que, até agosto, de 100 mil a 190 mil brasileiros devem morrer pela doença.

 

“Não era dessa forma que queríamos ganhar notoriedade no mundo. Temos muitas coisas boas para mostrar, mas essa é a nossa realidade atual, infelizmente. E precisamos que o mundo nos olhe agora, já que o presidente está cego para a pandemia e seus efeitos desastrosos. São preocupantes os dados apresentados pelas publicações. Como podemos ficar quietos diante de um quadro assustador, com tanta gente morrendo e os nossos hospitais lotados, nas capitais e no interior, de pessoas doentes?”, lamentou Arthur, ao comentar as matérias.

 

Na mesma publicação, a revista "Financial Times" ouviu, além do prefeito de Manaus, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, e os governadores de São Paulo, João Dória, e do Maranhão, Flávio Dino, além de líderes como o presidente americano Donald Trump. O jornal diz que Bolsonaro minimiza a gravidade da doença e incentiva os brasileiros a voltarem às ruas, entrando em conflito direto com os governadores, destacando, ainda, que o comportamento do presidente já levou à saída de dois ministros da Saúde.

 

A revista "Time" foi muito mais dura em relação ao presidente, destacando o fato de que no dia em que o país registrou 10 mil mortes, o presidente passeava de jet sky. Na mesma linha do jornal "Financial Times", a revista revela o quadro social brasileiro, como país emergente e com estruturas mais frágeis para enfrentar a pandemia.

 

“A única coisa que pode nos confortar, de certa forma, diante dessas notícias internacionais, é o fato de chamarmos a atenção para a gravíssima realidade brasileira, especialmente a dos povos amazônicos”, destacou Arthur, que também deu uma longa entrevista publicada na revista "ViceNews", de Portugal, analisando a situação brasileira e amazônica e com críticas muito duras ao presidente Jair Bolsonaro.

Fotos – Márcio James / Semcom

Sobe Catracas

ERLON ROCHA, vereador eleito de Santarém

Empresário do ramo naval foi o vereador mais votado, em Santarém (PA), obtendo 4.397 mil votos.

Desce Catracas

ELIANA AMORIM, prefeita de Pauini

Mesmo proibido pela Lei Eleitoral, prefeita inicia demissão em massa de funcionários, em retaliação, após derrota na eleição