Sexta, 05 de junho de 2020

DeAmazônia

MENU
Atualizado em 20/05/2020

Prefeito de Rio Preto da Eva convoca aglomeração para decidir ‘lockdown’

Anderson Sousa faz ‘convite da morte’, ao pedir que população compareça em peso ao ginásio da cidade

Prefeito de Rio Preto da Eva convoca aglomeração para decidir ‘lockdown’ Prefeito de Rio Preto, Anderson Sousa, da Eva convoca aglomeração para decidir ‘lockdown’

DEAMAZÔNIA RIO PRETO DA EVA, AM - Na contramão de medidas preventivas, contra a disseminação do novo coronavírus, o prefeito de Rio Preto da Eva (a 80 quilômetros de Manaus), Anderson Sousa (PP) convidou toda a população para comparecer ao ginásio da cidade, nesta quinta-feira (21), para decidir se o município decreta ‘lockdown’ ou abre parcialmente o comércio. É o ‘convite da morte’.

 

O site Amazonas1 anotou o convite sinistro do prefeito.

 

No convite, para realizar a aglomeração, Anderson Sousa está convocando vereadores, guarda municipal, Policia Militar e Polícia Civil, secretários municipais, demais autoridades, comerciantes, empresários, microempreendedores, vendedores autônomos, permissionários, lideres religiosos e a população em geral.

 

Aliados do prefeito ainda estão reforçando o convite dele para que moradores da zona rural se desloquem até a sede da cidade, a fim de participarem da reunião. OUÇA O ÁUDIO.

Anderson, que ficou conhecido como ‘prefeito Ostentação’, ainda fez um esclarecimento ao povo. Segundo ele, a Prefeitura já gastou R$ 2 milhões em prevenção e tratamento da doença. Porém, não há nenhuma plataforma digital para que a população acompanhe a aplicação correta dos recursos.

 

Até ontem (19/5), Barreirinha tinha registrado 352 casos confirmados de covid-19 e 8 mortes, segundo boletim da Susam.

    

Sobe Catracas

RODRIGO FERNANDES, escritor paraense

Natural de Santarém, venceu concurso da Academia Paraense de Letras e Artes e obra dele ficou em 1º lugar na categoria 'Melhor Livro'

Desce Catracas

ALFREDO MENEZES, ex-superintendente da Suframa

Foi demitido após 1 ano e 3 meses à frente da autarquia, que enfrenta a por crise da história